Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

trabalho realizado por:Tiago albano

Episódios de uma vida romântica

Os Maias

Relação com os outros episódios

Personagens e simbologia

Importância dentro da obra

Introdução

Conclusão

Contextualização

Crítica

índice

Episódio "Sarau no teatro da trindade"

introdução

01

O "Sarau no Teatro da Trindade" é um episódio que faz parte da obra "Os Maias" de Eça de Queirós. Localiza-se, em termos de estrutura externa, no 16º capítulo (XVI) . É fundamental na compreensão das intrigas principais e secundárias, uma vez que ilustra o modo e modelo de vida da alta burguesia lisboeta e representa o início do epílogo, devido às revelações trazidas pelo Sr. Guimarães, que comprovam a verdadeira identidade de Maria Eduarda e de Carlos, bem como o seu grau de parentesco, que vai muito além do que apenas dois amantes que constituem uma relação amorosa.

introdução

Contextualização

02

Neste episódio decorre o Sarau no Teatro da Trindade, um evento cultural onde existem manifestações e expressões artísticas. Destinava-se a ajudar as vítimas das inundações do Ribatejo, reunindo as classes sociais mais elevadas. Este sarau revela certos aspetos caricatos da sociedade lisboeta da época e revela a sua falta de cultura. Neste episódio Ega insiste em ir ao Sarau e Carlos aceita por mera obrigação social e quando chegaram ao Teatro notaram a ausência da família Real. No teatro, Ega encontrou-se com o Sr. Guimarães que diz que tem um cofre da mãe de Carlos para entregar. Aqui a obra atinge um ponto culminante e fulcral, quando Ega descobre então que Carlos cometeu incesto com Maria Eduarda e decide pedir ajuda a Vilaça para contar tudo a Carlos.

Contextualização

Personagens e simbologia

03

  • Ega - Amigo íntimo de Carlos. É ele que, em primeiro lugar, fica a conhecer a verdade sobre Maria Eduarda e a sua relação de parentesco com Carlos. Simboliza o sarcasmo, a ironia e a crítica;
  • Carlos - Personagem principal. É bastante corajoso e frontal, para além de ser muito humilde. Este tem um caso amoroso com Maria Eduarda. Representa a evolução da sociedade portuguesa após a Regeneração;
  • Cruges - É um maestro e pianista, amigo de Carlos, que participa no sarau. Este caracteriza o raro talento verdadeiro, incompreendido e que é alvo de risos;
  • Alencar - Amigo de Carlos e de Ega. Sonhava com uma monarquia utópica. Representa o ultrarromantismo, fala da democracia romântica, tem um patriotismo eloquente, aliando a política à poesia e à encenação excessiva e sentimentalista;
  • Rufino - Orador "sublime" que pregava pela caridade e pelo progresso, com um discurso algo banal e superficial, mas que agradou ao público. Este traduz a sensibilidade literária da época, mostrando uma adoração por quem o pode promover (a Família Real, por exemplo);
  • Sr. Guimarães - Tio de Dâmaso e amigo íntimo de Maria Monforte. Desempenhou um papel muito importante como "Mensageiro do destino", visto que vai provocar a tragédia final da obra, que é a revelação do parentesco entre Carlos e Maria Eduarda, através de um cofre com documentos que o comprovam.
  • Existem também outras personagens que surgem apenas como meros figurantes ou não têm muita importância no desenrolar dos acontecimentos.

Personagens e simbologia

Crítica

04

Este episódio baseia-se num Sarau literário que critica a exposição da hipocrisia, da superficialidade e da falta de cultura da alta sociedade lisboeta do século XIX. Critica também, de certa forma, o público, uma vez que estes apenas frequentam este tipo de eventos devido ao convívio e não pelo espetáculo em si. Em resumo, este episódio critica o fato da sociedade ser culturalmente muito pobre, sendo esta crítica muito comum em todo o romance.

Crítica

Importância dentro da obra

05

Neste episódio decorre o Sarau no Teatro da Trindade, um evento cultural onde existem manifestações e expressões artísticas. Destinava-se a ajudar as vítimas das inundações do Ribatejo, reunindo as classes sociais mais elevadas. Este sarau revela certos aspetos caricatos da sociedade lisboeta da época e revela a sua falta de cultura. Neste episódio Ega insiste em ir ao Sarau e Carlos aceita por mera obrigação social e quando chegaram ao Teatro notaram a ausência da família Real. No teatro, Ega encontrou-se com o Sr. Guimarães que diz que tem um cofre da mãe de Carlos para entregar. Aqui a obra atinge um ponto culminante e fulcral, quando Ega descobre então que Carlos cometeu incesto com Maria Eduarda e decide pedir ajuda a Vilaça para contar tudo a Carlos.

Importância dentro da obra

Relação com os outros episódios

06

Neste episódio, todos os presságios negativos visíveis em outras situações, episódios e capítulos, culminam numa tragédia final que já era prevista em alguns capítulos anteriores, como por exemplo: Na semelhança dos nomes de Carlos Eduardo e Maria Eduarda; Nas semelhanças físicas de Carlos com a mãe de Maria Eduarda; Nas semelhanças físicas entre Maria Eduarda e o avô de Carlos, Afonso da Maia; Na "Toca", a presença de uma tapeçaria sobre os amores de Vénus e Marte, que representam uma relação incestuosa; O murchar dos três lírios brancos no vaso de Japão, na casa de Maria Eduarda; O nome escolhido por Maria Monforte para o seu filho, Carlos Eduardo, em homenagem a um último príncipe; Um quadro com "uma cabeça degolada, lívida, gelada no seu sangue, dentro de um prato de cobre" presente na "Toca", que exprime o sacrifício de Afonso pela relação dos netos.

Relação com os outros episódios

Conclusão

07

Concluindo, neste episódio assiste-se a uma forte crítica de costumes à sociedade portuguesa daquela época, por Eça de Queirós. Este episódio demonstra demasiada importância na obra, pois desencadeou a catástrofe final, devido às revelações feitas pelo Sr. Guimarães, e por sua vez, pelo cofre da família que este entregou e podemos verificar, por fim, todos os presságios negativos que fomos averiguando ao longo da obra.

Conclusão

Obrigado!