Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

Formadora: Marie-Line GuerreiroDiscentes: Gabriel Jesus, nº 3 e Rodrigo Guerreiro, nº 6 - 12 PAEscola Secundária José Belchior ViegasDisciplina de PortuguêsMódulo 9 Ano letivo de 2023/2024

in Memorial do Convento

Começar>

Personagens 2

Conclusão

Blimunda Sete-Luas

Personagem histórica

Webgrafia

Relação do casal do povo

Baltasar Sete-Sóis

Personagens

Povo

Padre Bartolomeu Ficcional

Personagens ficcionais

Introdução

Índice

No nosso trabalho pretendemos apresentar as quatro principais personagens da obra de José Saramago, Memorial do Convento, nomeadamente Baltasar Sete-Sóis, Blimunda Sete-Luas, Frei Bartolomeu de Gusmão e o Povo.Iremos ainda abordar a relação entre Baltasar e Blimunda e a importância do Povo nesta obra.

Introdução

FiccionaisBaltasar sete-sóisBlimunda sete-luasPadre Bartolomeu LourençoPovo

HistóricasPadre Bartolomeu Lourenço de Gusmão

Personagens

Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão
  • Bartolomeu de Gusmão nasceu em dezembro de 1685 em Santos no Brasil e faleceu em Toledo a 18 de novembro de 1724
  • Foi sacerdote e inventor
  • Cognominado padre voador
  • Em 1701 mudou-se para Lisboa onde estudou direito canónico na universidade
  • Padre Bartolomeu iniciou a construção do primeiro balão aerostático
  • Por ter contacto com a corte, em abril de 1709 pede licença a D. João V, para fazer experiencias com a sua invenção
  • O balão subiu 4,60 metros e a partir daí foi chamado de padre voador
  • Bartolomeu de Gusmão foi perseguido acusado de ser amigo de judeus

Personagem histórica

  • Fugiu para os Países Baixos, tendo feito experiências com lentes
  • Seguiu para França, onde passou a vender remédios fabricados por ele
  • Foi membro da Academia Real de História, cumprindo missões diplomáticas com o apoio do rei D. João V
  • Em 1711, viajou para Roma, numa visita diplomática e no seu regresso foi nomeado secretário dos estrangeiros
  • Apesar disso, continuou a ser perseguido pelos inquisidores tendo de fugir para Toledo, em Espanha, onde viria a falecer louco da cabeça

Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão

Padre Bartoloneu Lourenço

Personagens Ficcionais

Povo

Blimunda Sete-Luas

Baltasar Sete-Sóis

  • Baltasar Mateus, com sua alcunha Sete-Sóis, a personagem mais interessante e com maior densidade psicológica
  • Soldado na Guerra de Sucessão de Espanha contra os castelhanos "fosse Baltasar da guarda real" (pág.165, l..28)
  • Deixou o exército por ficar maneta "foi mandado embora do exercito por já não ter serventia nele, depois de lhe cortarem a mão esquerda pelo nó do pulso" (pág.37, l.3 e 4)
  • Chega a Lisboa como pedinte
  • Ao regressar, trabalha num matadouro em Lisboa "entrou no açogue que dava para a praça (...) não sabia então que ali viria a trabalhar" (pág.45 l.6 e 10)

Baltasar Sete-Sóis

  • É um dos construtores da Passarola e participa no seu primeiro voo "podia enfim adientar-se a construção da máquina de voar e por-se em obra material o contrato que fazia de Baltasar a mão direita do voador" (pág.93, l.4-6)
  • Antes da guerra era camponês, analfabeto "donde vêm tais coisas à cabeça destes rusticos, analfabetos todos" (pág.262, l.1 e 2)
  • É assaltado matando um dos gatunos "matará adiante um homem de dois que o quiseram roubar" (pág.40, l.7 e 8)
  • Com 26 anos conhece Blimunda com quem partilhará a sua vida "alí vai minha mãe, e depois, voltando-se para o homem alto que lhe estava perto, perguntou, que nome era o seu e o homem disse, naturalmente, assim reconhecendo o direito de esta mulher lhe fazer perguntas, Baltasar Mateus" (pág.56, l.13-17)

Baltasar Sete-Sóis

  • A par da construção da Passarola, regressa a Mafra e vai trabalhar nas obras do Convento "durante muitos meses, Baltasar puxou e emporrou carros de mâo" (pág.264, l.19 e 20)
  • Passa vários meses a empurrar carros de mão, antes de ser promovido a "boeiro" "passou a andar com uma junta de bois" (pág.264, l.22)
  • Homem simples, determinado, corajoso e leal

Baltasar Sete-Sóis

  • Filha de Sebastiana Maria de Jesus, que foi condenada ao degredo, por ser cristã nova "esta sou eu, Sebastiana Maria de Jesus, um quarto de cristã nova";"não ouvi que se fala-se da minha fila, é seu nome Blimunda" (pág.55, l.11 e 12; l.23 e 24)
  • Conhce Baltasar nesse auto de fé " Baltasar Mateus, o sete-sois, está calado apenas olha fixamente Blimunda" (pág.58, l.6 e 7)
  • Capacidade de vidente e possuidora de poderes ocultos "deitou o padre Bartolomeu Lourenço a benção ao soldado e à vidente" (pág.103, l.19 e 20)
  • Ajuda na construção da Passarola "poderá Blimunda, se não tem trabalhos de lavar (...) assistir a Baltasar passando-lhe um martelo ou a turquês" (pág.94, l.15 e 16; l.18)

Blimunda Sete-Luas

  • Se estiver em jejum consegue ver o interior das pessoas, os males que destroem a vida e consegue recolher "vontades" que permitiram o voo da Passarola "amanhã não comerei quando acordar, sairemos depois de casa e eu vou te dizer o que vir, mas para ti nunca olharei" (pág.81-82, l.31-l.1 e 2)
  • Por amar Baltasar, recusa conhecer o seu interior "fiz promessa de que a ti nunca te veria por dentro"(pág.81, l.29)
  • O poder que ela tem permite curar e criar as suas verdades mais profundas "que poder é esse teu, Vejo o que está dentro dos corpos, e às vezes o que está no interior da terra";"a mulher que está sentada no degrau tem na barriga um filho varão, mas o menino leva duas voltas de cordão enroladas ao pescouço" (pág.82, l.15 e 16);(pág.84, l16-18)

Blimunda Sete-Luas

  • Com 19 anos é forte e decidida "que idade tens, perguntou Baltasar, e Blimunda respondeu, 19 anos, mas já então se tornara muito mais velha" (pág.59, l.30 e 31); (pág60, l.1)
  • É astuta, destemida, persistente, pouco convencional e fiel a Baltasar
  • Partilha com Baltasar alegrias, tristezas e preocupações da vida

Blimunda Sete-Luas

A personagem Padre Bartolomeu de Gusmão é oriunda do mundo real, contudo é introduzida na história ao lado de outras personagens ficcionadas. Deste modo, o Padre surge ao lado de Blimunda num auto de fé em que esta conhece Baltasar e passa a acompanhar e a abençoar este par. "ao lado dela está o padre Bartolomeu de Lourenço" (pág.56, l.6 e 7).

Padre Bartolomeu Lourenço -Ficcional

a) "Bartolomeu Lourenço a sair do portão da quinta, montado na mula a caminho da Holanda" (pág.112, l.3 a 5).b) "Veio a morrer em Espanha, fez agora quatro anos, foi um caso de que se falou muito, o santo oficio meteu o nariz." (pág.347, l.6 a 8)"Voou a máquina" (pág.230, l.1)c) "Deite-nos a sua benção, padre, não posso, não sei em nome de que Deus a deitaria" (pág. 205, l.6 e 7)

Padre Bartolomeu Lourenço -Ficcional

  • Personagem coletiva e herói anónimo
  • Construtores do Convento de Mafra à custa de sacrifícios e de mortes, tipificão a massa coletiva e anonima que construiu o convento
  • Contudo, Saramago fê-los sair do anonimato, nomeando-os de A-Z "Alcino, Brás, Cristóvão, Daniel, Egas, Firmino, Geraldo, Horácio, Isidro, Juvino, Luis, Marcolino, Nicanor, Onofre, Paulo, Quitério, Rufino, Sebastião, Tadeu, Ubaldo, Valério, Xavier, Zacarias."
  • Vivem na completa miséria física e moral visto que a religião tem um grande efeito sobre esta classe social
  • Acreditam em milagres e feitiçarias

Povo

  • São vistos como simples peças de uma obra
  • Foram necessários 40 000 portugueses para alimentar o sonho de um rei megalómano (com a mania das grandezas)
  • A critica e o olhar mordage do narrador enfatisão a escravidão a que foram sujeitos
  • José Saramago sentiu a necessidade de individualizar as personagens que representam a força motriz do país que ergueu o Palácio-Convento, sob um regime opressivo
  • É a verdadeira elegia de Saramago para todos aqueles que, embora ficcionais, traduzem a essência de ser português: GRANDES FEITOS, GRANDE ESFORÇO E CAPACIDADE DE SOFRIMENTO
  • Símbolo do sofrimento, do sacrifício e da superação

Povo

  • Baltasar e Blimunda unem-se sem a benção da Igreja "deitaram-se. Blimunda era virgem" (pág.59, l.30)
  • Vivem um amor autêntico, livre e com gestos de ternura
  • Respeitam-se
  • Têm relações sexuais por amor e paixão, sem fins reprodutivos "percisamente onde constantes pecados de luxúria ambos cometem" (pág.94, l.25 e 26)
  • Vivem num espaço humilde, mas de comunhão familiar, partilhando uma vida humilde
  • Blimunda é uma mulher forte, impondo as suas regras no casal
  • Os olhares são o suficiente para se entenderem sem falar
  • Partilham de um destino trágico comum, como o voo e queda da Passarola

Relação entre Baltasar e Blimunda

Conclusão

No nosso trabalho concluímos que existem dois tipos de personagens: as personagens históricas e personagens ficcionais.Percebemos, ainda, a relação entre Baltasar e Blimunda e a sua função enquanto construtores da Passarola e, posteriormente, enquanto trabalhadores na obra da construção do Convento.Entendemos também a função do povo enquanto personagem coletiva e herói anónimo que muito sofreu para construir o Convento de Mafra.Recomendamos a leitura da obra, pois apesar da sua dimensão e da escrita específica do autor acaba por retratar uma história onde se cruzam diferentes histórias, vivências e personagens.Sentimos algumas dificuldades em encontrar uma estrutura bonita e de acordo com o tema e na procura de informação.Gostamos bastante de concluir este trabalho, pois melhoramos a nossa cultura geral sobre a obra.A parte que menos gostamos foi ter de ler esta obra, visto que é muito extensa.Este trabalho contribuiu para ensinamentos futuros, nomeadamente a nossa perceção do próprio monumento mudou, pois agora sabemos o quão difícil foi a construção do mesmo, quanto sofrimento implicou para que tudo tivesse essa grandiosidade.

Webgrafia

https://ensina.rtp.pt/artigo/baltasar-sete-sois-e-blimunda-sete-luas/https://notapositiva.com/memorial-do-convento-blimunda-e-baltazar/#https://www.visitlisboa.com/pt-pt/lisbon-stories/rota-do-saramago-2/personagens-5https://pt.slideshare.net/MiguelavRodrigues/memorial-do-convento-personagens-11739635https://osincriveis10pqa.blogspot.com/2014/05/historia-e-ficcao-em-memorial.htmlhttps://estudogeral.uc.pt/bitstream/10316/27558/1/Figuracao%20personagens%20de%20Memorial%20do%20Convento_hipotese%20de%20leitura.pdf

Obrigado