Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos(Brymer et al., 2006)

Iniciar

Acções essenciais

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

8. Referenciação a serviços

7. Informação sobre o coping

6. Conexão ao suporte social

2. Segurança e conforto

5. Assistência prática

4. Recolha de informação

3. Estabilização

Clique nos botões para conhecer as acções essenciais.

Quiz

Acções essenciais

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Objectivo

Acção

Legenda:

Quando terminar de consultar as acções essenciais, responda aqui ao

Objectivo: Iniciar o contacto de forma empática e não intrusiva, de forma a oferecer ajuda.

Objectivo: Promover a segurança de forma imediata e providenciar conforto físico e emocional.

Objectivo: Acalmar e orientar as vítimas em descontrolo emocional.

Objectivo: Identificar as necessidades e preocupações imediatas, obter informação adicional de forma a ajustar a intervenção.

Objectivo: Oferecer ajuda prática às vítimas na resolução das necessidades e preocupações imediatas.

Objectivo: Ajudar a estabelecer ligação à rede social de suporte, incluindo membros da família, amigos e recursos da comunidade.

Objectivo: Providenciar informação sobre as reacções de stress e como lidar com elas de forma a promover o funcionamento adaptativo.

Objectivo: Promover a ligação das vítimas a serviços necessários no presente ou no futuro.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

O primeiro contacto com uma vítima é muito importante. Se bem efectuado, pode estabelecer uma relação de ajuda eficaz e aumentar a receptividade da pessoa no futuro em procurar ajuda.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Estabeleça o contacto com os sobreviventes de forma empática e não intrusiva:

  • Apresente-se e descreva o seu papel;
  • Peça permissão para falar;
  • Explique os objectivos;
  • Questione sobre as necessidades imediatas;
  • Antes de falar com crianças assegure-se, sempre que possível, que pede permissão aos pais/adultos responsáveis;
  • Tenha em atenção as diferenças culturais no que concerne ao toque, “espaço pessoal” e ao olhar;
  • Assegure ao máximo a confidencialidade.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Por exemplo, ao estabelecer contacto, poderá dizer:

Adulto

Criança/Adolescente

Clique nos botões para ver o conteúdo.

“Olá. O meu nome é Manuel, sou psicólogo. Estou a ver como as pessoas estão e se poderei ajudar em alguma coisa. Posso falar consigo alguns minutos? Como se chama? Sra. Antónia, antes de falarmos, existe alguma coisa de que necessite já, como água?”

“E esta é a sua filha?” (coloque-se ao nível ocular da criança, sorria e cumprimente a criança utilizando o seu nome). “Olá Elsa, o meu nome é Manuel e estou aqui a tentar ajudar a tua família. Precisas de alguma coisa agora? Temos ali água e sumos de fruta, cobertores e caixas de brinquedos.”

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Algumas vítimas podem não procurar a sua ajuda, mas podem beneficiar do seu apoio. Quando identificar estas pessoas, não interrompa conversas em curso e assuma que a pessoa poderá não querer falar imediatamente consigo. Se a pessoa declinar a sua oferta de suporte, respeite a sua decisão e indique onde e como poderá obter ajuda depois.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

2. Segurança e conforto

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Restabelecer o sentimento de segurança é um objectivo importante após um incidente. Promover a segurança e o conforto pode reduzir a ansiedade e as preocupações associadas.

Adulto

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

2. Segurança e conforto

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

O conforto e a segurança podem ser promovidos junto das vítimas das seguintes formas:

  • Garantir a segurança física imediata: retirar de locais em que corram perigo, remover objectos com que se possam magoar, entre outros;
  • Fornecer informações sobre as actividades e/ou serviços de resposta ao incidente: o que está a ser feito para assisti-los, serviços disponíveis, o que se sabe sobre o evento,...

Criança/Adolescente

“Pelo que percebi, vamos começar a transportar as pessoas para um abrigo que será o ginásio da escola secundária, dentro de uma hora. Haverá comida, roupa limpa e um sítio onde poderão descansar. Por favor, permaneça nesta área, um elemento da equipa virá aqui para levá-lo”.

“Olha o que vai acontecer a seguir: tu e a tua mãe vão juntas para um sítio que se chama abrigo, que é uma casa segura que tem comida, roupa limpa e um sítio para descansarem. Fica aqui com a tua mãe até chegar o autocarro.”

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

2. Segurança e conforto

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

O conforto e a segurança podem ser promovidos junto das vítimas das seguintes formas:

  • Oferecer conforto físico: um local onde possam ficar considerando, se possível, se possui a temperatura, luminosidade e mobiliário adequados, entre outros.
  • Promover o contacto social com outras vítimas.
  • Proteger de experiências potencialmente traumáticas e de estímulos associados ao trauma, como imagens, sons ou cheiros.
  • Discutir a exposição aos meios de comunicação social.

Adulto

“Passou por muito e é uma boa ideia proteger-se a si e aos seus filhos de imagens, cheiros ou sons perturbadores. Até as notícias do desastre que passam na televisão podem ser muito perturbadoras para as crianças. Tente que as crianças não vejam notícias relacionadas com o desastre. E já agora, também lhe fará bem a si não ver essas notícias.”

Clique no botão para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

3. Estabilização

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

A maioria das pessoas afectadas por um incidente potencialmente traumático não necessita de estabilização. A expressão de emoções intensas é esperada e normal, contudo a activação fisiológica extrema, o embotamento e a ansiedade extrema podem interferir com o sono, o apetite, a tomada de decisão, a parentalidade ou com outros papéis. Para estas pessoas deve ser oferecido suporte para a estabilização.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

3. Estabilização

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Observe os seguintes sinais que indicam que a pessoa possa necessitar de estabilização:

  • Olhar vago e vazio;
  • Não responsivo a orientações verbais;
  • Desorientado (a deambular);
  • Exibe reacções emocionais muito intensas (choro incontrolável, hiperventilação);
  • Reacções físicas incontroláveis (tremores);
  • Comportamento frenético de busca;
  • Incapacitado pela preocupação;
  • Actividades de risco.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

3. Estabilização

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

No geral, siga os seguintes passos para a estabilização:

  • Respeite a privacidade das pessoas e aguarde alguns minutos antes de intervir. Diga que está disponível se precisarem ou que irá voltar dentro de minutos para perceber como estão;
  • Mantenha-se calmo, sem falar, mas presente, em vez de tentar imediatamente falar com a pessoa, já que poderá estar a contribuir para a sobrecarga cognitiva/emocional. Mantenha-se disponível, enquanto dá alguns minutos à pessoa para se acalmar;
  • Mantenha-se por perto enquanto fala com outras vítimas, e “à vista” para que a pessoa se possa dirigir a si se assim o desejar;
  • Ofereça suporte e ajude a pessoa a focar-se em pensamentos e sentimentos específicos e em objectivos;
  • Dê informação que ajude a pessoa a readquirir a sensação de controlo: como está organizada a ajuda, onde pode ter ajuda e que passos considerar.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

3. Estabilização

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

No caso de se manter a activação emocional extrema, embotamento, dissociação ou pânico, utilizar:

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Relaxamento muscular

Grounding

Adulto

Criança/adolescente

Se nenhuma destas intervenções ajudar na estabilização emocional, deverá encaminhar a pessoa para uma consulta médica, já que poderá ser necessário a administração de medicação.

Respiração abdominal

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

4. Recolha de informação

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Lembre-se que na maioria dos contextos de intervenção, a pesquisa de informação será limitada pelo tempo, pelas necessidades e prioridades da vítima, entre outros factores.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

4. Recolha de informação

Áreas a pesquisar

Para que é utilizada

Procedimentos de clarificação

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

5. Assistência prática

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Ao ajudar as pessoas a obterem recursos, estará a aumentar a sua sensação de empowerment, a esperança e a restabelecer a sua dignidade. Desta forma, ajudar a vítima, com os seus problemas actuais ou antecipados, é um componente central do modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos. Os sobreviventes podem apreciar uma ajuda mais pragmática com o foco na resolução dos seus problemas.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

5. Assistência prática

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Após a identificação das necessidades, deverá ensinar as pessoas a definirem objectivos realistas que irão ajudar a:

  • diminuir o sentimento de incapacidade em lidar com a situação
  • terem experiências de sucesso
  • reestabelecer a percepção de controlo necessária para uma recuperação eficaz. Deve então oferecer ajuda prática para os sobreviventes na resposta às necessidades e preocupações imediatas.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

5. Assistência prática

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

A ajuda prática para as vítimas na resposta às necessidades e preocupações imediatas poderá ser conduzida em quatro passos:

4) Agir para atender à necessidade

2) Clarificar a necessidade

3) Discutir um plano de acção

1) Identificar as necessidades mais imediatas

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

6. Conexão ao suporte social

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

O suporte social está relacionado com o bem-estar emocional e com a recuperação após as situações de crise. As pessoas que têm um bom suporte social mais facilmente entrarão em actividades de suporte (darem ou receberem suporte) necessárias após o incidente.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

6. Conexão ao suporte social

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

O suporte social pode ter vários formatos:

Conxãosocial

Suporte emocional

Conexãosocial

Sentir quefaz falta

Suporteconfiável

Aconselhamento e informação

Assistênciafísica

Assistênciamaterial

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Abraçar, escutar, compreender, aceitar.

Sentir que pertence a um grupo e partilha coisas em comum com outras pessoas.

Sentir que é importante para os outros, que é valorizado.

Sentir que tem pessoas em quem pode confiar, que estarão lá se necessário.

Ter pessoas que lhe dão bons conselhos ou informação, que o ajudam a compreender as suas reacções ou que lhe dão bons exemplos sobre como lidar com alguns problemas.

Ter pessoas que o ajudam a carregar coisas, a arranjar a casa ou a preencher formulários.

Ter pessoas que lhe dão bens, como água, roupa, abrigo ou dinheiro.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

6. Conexão ao suporte social

1. Contacto e estabelecimento da relação

Como psicólogo, deve:

Conxãosocial

  • Melhorar o acesso das pessoas à sua rede de suporte primária (família e outros significativos);
  • Incentivar o recurso às pessoas que estão a prestar apoio imediato;
  • Discutir formas de procurar e dar apoio;
  • Identificar possíveis pessoas de apoio;
  • Discutir o que fazer/falar (como abordar outras pessoas);
  • Explorar a resistência em procurar apoio;
  • Abordar os sobreviventes com isolamento social extremo:
    • Pense sobre o tipo de apoio que lhe será mais útil;
    • Pense nas pessoas de quem a vítima se poderá aproximar;
    • Decida quem pode ser um bom modelo ou mentor;
    • Decida de antemão o que a vítima gostaria de discutir ou fazer;
    • Escolha o momento certo e lugar para abordar alguém para apoio.

Clique no botão para saber mais.

Para saber que o que fazer para Estabelecer Ligação ao Suporte Social, consulte o documento “Estabelecer ligação ao suporte social” disponível na Plataforma Moodle.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

7. Informação sobre o coping

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

As crises podem colocar em risco as capacidades dos indivíduos em lidarem com as adversidades. Sentirem que conseguem lidar com a ansiedade e com os problemas poderá ser benéfico para a recuperação.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

7. Informação sobre o coping

1. Contacto e estabelecimento da relação

Deverá informar os indivíduos sobre as seguintes situações:

Reacções de raiva

Coping na família

Coping positivo

Coping negativo

Duração das reacções de stress

Questões desenvolvimentistas

Abuso de substâncias

Problemas de sono (crianças)

Problemas do sono

Emoções "negativas"

Reacções de stress

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

8. Referenciação a serviços

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Enquanto dá informação, fale também sobre se existe alguma preocupação que necessite de informação adicional ou de referenciação a outro serviço.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

8. Referenciação a serviços

1. Contacto e estabelecimento da relação

1. Contacto e estabelecimento da relação

Confira alguns exemplos de situações que requerem referenciação:

  • Um problema médico agudo que necessite de apoio imediato;
  • Um problema de saúde mental que necessite de atenção imediata;
  • Agravamento de um problema médico, emocional, comportamental pré-existente;
  • Ameaça em magoar-se a si ou a outros;
  • Preocupação relacionada com o uso de álcool ou drogas;
  • Casos que envolvam negligência a crianças ou idosos (reporte às autoridades);
  • Quando existe necessidade de medicação para a estabilização;
  • Quando é pedido apoio religioso;
  • Dificuldades crescentes em lidar com as reacções de stress (4 ou mais semanas após o incidente);
  • Quando o sobrevivente pede referenciação.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

8. Referenciação a serviços

1. Contacto e estabelecimento da relação

Procedimentos importantes a tomar:

Promoção da continuidade

Em caso de recusa

Retomar a ligação a serviços

Clique nos botões para ver o conteúdo.

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

Lembra-se dos objectivos das acções? Estabeleça a correspondência correcta entre as acções e os seus objectivos. Identifique a(s) opção(ões) correcta(s) e, de seguida, clique em Validar.

Quiz

Começar

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

Modelo dos Primeiros Socorros Psicológicos (Brymer et al., 2006)

Parabéns! Terminou de visualizar este conteúdo.

  • Explique que muitas pessoas optam por beber, usar medicamentos ou drogas para reduzirem o seu sofrimento;
  • Peça ao indivíduo para identificar os prós e contras do uso de álcool ou de outras drogas como forma de lidar com os problemas;
  • Chegue a um acordo de abstinência ou de um padrão de consumo seguro.

Abuso de substâncias

1. Inspire devagar pelo nariz e encha confortavelmente os pulmões até à barriga;2. Silenciosa e calmamente repita para si: “o meu corpo está cheio de calma”. Expire devagar pela boca e confortavelmente esvazie totalmente os pulmões; 3. Silenciosa e calmamente repita para si: “o meu corpo está a libertar a tensão”; 4. Repita 5 vezes; 5. Faça-o as vezes que forem necessárias ao longo do dia.

Adulto

Respiração abdominal

Veja este vídeo com um exemplo de respiração abdominal para adultos.

  • Isolamento social;
  • Evitamento extremo de pensar ou falar sobre o incidente;
  • Trabalhar demasiado;
  • Raiva ou violência;
  • Uso de álcool ou drogas.

Coping negativo

Pode ter efeitos negativos não intencionais.

2) Clarificar a necessidade Fale com a vítima para especificar o problema. Quanto mais clarificado estiver o problema, mais fácil será em colocá-lo em passos práticos para o resolver.

• Natureza e severidade das experiências durante o incidente; • Morte de um ente querido; • Preocupações acerca da vida após o incidente; • Separação ou preocupação acerca da segurança dos entes queridos; • Doenças físicas, doenças mentais e necessidade de medicação; • Perdas (casa, escola, trabalho, animais de estimação, outros bens); • Sentimentos exacerbados de culpa ou vergonha; • Pensamentos de fazer mal ao próprio ou a outros; • Disponibilidade do suporte social; • Consumos anteriores de álcool ou drogas; • Exposição anterior ao trauma e à morte de entes queridos; • Mecanismo de coping passados.

Áreas a pesquisar:

  • Manterem rotinas de sono regulares;
  • Reduzirem o consumo de álcool;
  • Eliminarem as bebidas com cafeína à tarde/noite;
  • Aumentarem o exercício físico regular;
  • Relaxarem antes de dormir;
  • Limitarem as sestas a 15 minutos, e sempre antes das 16:00;
  • Obterem suporte para preocupações imediatas.

Como lidar com problemas do sono

Incentivar as vítimas para:

4) Agir para atender à necessidade Ajude a vítima a iniciar a acção. Por exemplo, ajude-o a marcar uma hora com o serviço que necessita e se necessário ajude-o no preenchimento de formulários.

  • As pressões e adversidades após um acidente podem resultar em importantes interrupções, atrasos ou regressões no progresso do desenvolvimento;
  • A perda de oportunidades de desenvolvimento ou conquistas pode ser experienciado como uma das principais consequências resultantes do desastre. Tente alertar os membros da família para estas dificuldades, ressalvando que as dificuldades no desenvolvimento diminuirão com a progressiva adaptação ao incidente.

Questões desenvolvimentistas

É também importante voltar a ligar as vítimas a instituições que lhes providenciavam serviços antes do incidente, incluindo:

• Serviços de saúde mental; • Serviços médicos; • Serviços de suporte social; • Serviços de apoio a crianças; • Escolas; • Grupos de suporte para as dependências.

A duração das reacções de stress dependerá (entre outras coisas) da:

Duração das reacções de stress

  • gravidade da exposição ao trauma e perda;
  • gravidade das adversidades após o incidente;
  • frequência com que estão expostos a estímulos que evocam pensamentos ou sentimentos associados ao incidente. Diga que é natural a resposta de ansiedade face ao que viveu e que é normal que comece a diminuir a intensidade, frequência e duração das reacções. Contudo se as reacções continuarem a interferir com a sua capacidade de funcionar após um mês, deverá procurar serviços especializados de saúde mental.

  • Der nomes e contactos dos serviços de suporte existentes na comunidade que poderá recorrer se necessitar de ajuda;
  • Apresentar os sobreviventes a profissionais de saúde, serviço social ou outros trabalhadores, de forma a que eles saibam o nome de outros ajudantes.

Uma preocupação secundária, mas importante, para a vítima é a de poder manter o contacto com o interventor que o ajudou. Poderá efetuar follow-up mas, em muitos casos, poderá não ser possível manter o contacto. Contudo, a perda de contacto pode levar a uma sensação de abandono ou rejeição. Pode criar uma sensação de continuidade dos cuidados prestados se:

Promova a continuidade das relações de ajuda:

Veja este vídeo que exemplifica a aplicação dos primeiros socorros psicológicos.

Se a pessoa recusar referenciação para um serviço de saúde mental:

• Propor uma avaliação, em vez de tratamento; • Normalizar a noção de tratamento; • Fornecer materiais educativos; • Dar informação sobre diferentes formas de procurar assistência; • Considerar envolver entes queridos (pais ou cônjuge) com consentimento do próprio na discussão do assunto; • Fazer follow-up e voltar a abordar o assunto.

  • Retomar as rotinas familiares;
  • Desenvolva a percepção de que poderão existir diferenças nas reacções e recuperação dos elementos da família;
  • Encoraje o entendimento mútuo, a paciência e a tolerância aos diferentes percursos de recuperação dos elementos da família;
  • Ajude os adolescentes a compreender os comportamentos mais protectores dos pais (por exemplo, pedir para ligar quando chegar à casa dos amigos) como normais e passageiros.

Coping na família

  • Lembrar aos pais que é frequente que as crianças queiram permanecer perto dos seus pais à noite;
  • Alterações temporárias nas rotinas de dormir (quererem dormir na cama dos pais ou que os pais fiquem no seu quarto) são normais, desde que os pais façam um plano com seus filhos para negociar um retorno à rotina normal de sono.

Problemas de sono nas crianças

• Evite pedir a descrição detalhada de experiências traumáticas; • Siga o discurso natural da vítima; • Os indivíduos não devem ser pressionados a revelar detalhes de qualquer trauma ou perda; • Se as vítimas estão ansiosas para falar sobre suas experiências, diga-lhes: “Por enquanto, as informações básicas para o ajudar com as suas necessidades actuais é o mais útil.” “Pode discutir detalhadamente as suas experiências num ambiente mais protegido no futuro”. Se a vítima identificar múltiplas preocupações, deve fazer o resumo e ajudá-lo a identificar quais os assuntos mais prioritários para lidar.

Ao clarificar o nível de exposição ao trauma:

Ajude a criança num exercício respiratório: 1. “Vamos praticar uma forma diferente de respirar que pode ajudar os nossos corpos a relaxar; 2. Põe uma mão em cima da barriga (demonstrar); 3. Agora vamos respirar pelo nariz. Quando inspiramos vamos encher de ar a barriga e aguentar um bocadinho (demonstrar); 4. Depois vamos expirar pelas nossas bocas. Quando o fizermos o nosso estômago vai encolher (demonstrar); 5. Vamos inspirar muito lentamente enquanto eu conto até 3. Vamos agora expirar muito lentamente enquanto eu conto até 3; 6. Vamos tentar juntos?”

Criança

Respiração abdominal

Veja este vídeo com um exemplo de respiração abdominal para adultos.

  • Apoio social;
  • Actividades positivas distractoras;
  • Estabelecer e alcançar objectivos;
  • Alterar expectativas/prioridades;
  • Respiração/relaxamento/descanso;
  • Exercício físico;
  • Escrita de um diário;
  • Aconselhamento;
  • Humor.

Coping positivo

Leva a resultados positivos.

Adulto

1) Identificar as necessidades mais imediatas O sobrevivente tem, frequentemente, múltiplas preocupações, pelo que é necessário focar-se em uma de cada vez.

Criança/Adolescente

“Eu compreendo o que me está a dizer, Sra. Antónia. A sua maior preocupação é encontrar o seu marido e certificar-se que ele está bem. Vamos focar-nos nisso e estabelecer um plano para obter essa informação”.

“Parece que estás muito preocupado com muitas coisas, como o que aconteceu à tua casa, quando volta o teu pai e o que vai acontecer a seguir. São todas preocupações importantes, mas vamos pensar qual é a mais importante agora e vamos fazer um plano.”.

A pesquisa de informação é utilizada para:

• Determinar a necessidade de encaminhamento imediato; • Determinar a necessidade de usufruir de serviços adicionais disponíveis; • Oferecer uma intervenção de follow-up; • Determinar quais os componentes dos primeiros socorros que serão mais úteis.

3) Discutir um plano de acção Ajude a vítima a pensar no que pode ser feito. Tente que a resposta venha primeiro da pessoa e só depois tente oferecer sugestões. Diga à vítima o que poderá esperar realisticamente dos recursos disponíveis.

  • Retirando-se do local por um tempo;
  • Conversando com um amigo sobre o que está a irritá-lo;
  • Fazendo exercício físico (por exemplo, caminhar, correr, fazer flexões);
  • Fazendo um diário em que descreve como se sente; Relembre a vítima que estar com raiva não irá ajudá-lo a conseguir o que quer e que pode prejudicar os seus relacionamentos importantes. Incentive a vítima a distrair-se com actividades positivas. Incentive ainda a vítima a permitir que outro adulto possa supervisionar temporariamente os seus filhos.

Reacções de raiva

As vítimas podem modificar a sua raiva:

  • Deve escutar essas crenças e ajudar as vítimas a olhar para a situação de outra forma. Poderá perguntar: “Se um amigo seu tivesse passado por esta situação, o que lhe diria? Consegue dizer o mesmo a si próprio?”;
  • Ajude a esclarecer mal-entendidos, rumores e distorções;
  • Ajude os sobreviventes a entender como os pensamentos influenciam as emoções.

Emoções "negativas" de culpa e vergonha

Algumas vítimas podem pensar acerca do que causou o evento, como reagiram, e como poderá ser o futuro. Atribuírem culpa excessiva a si mesmos ou a outros pode aumentar a intensidade das suas reacções.

  • Forneça informações simples sobre reacções de stress e coping;
  • Construa a discussão em torno das reacções da vítima;
  • Inclua possíveis reacções negativas e positivas;
  • Evite patologizar as reacções de stress;
  • Discuta formas positivas e negativas de lidar com as reacções de stress.

Reacções de stress

• Sente a pessoa numa posição confortável; • Diga: “Inspire e expire lentamente”; • Diga-me 5 coisas que esteja a sentir. Por exemplo: “Sinto as costas na cadeira, sinto um cobertor nas minhas mãos…; • “Inspire e expire lentamente”; • Agora diga-me 5 sons que esteja a ouvir. Por exemplo: “Oiço o meu coração a bater, um telemóvel a tocar…”; • Inspire e expire lentamente; • Olhe à sua volta e diga-me 5 objectos que esteja a ver. Por exemplo: “Vejo o chão, uma mesa, os meus sapatos…”; Se se tratar de uma criança pode utilizar a nomeação de cores. Por exemplo: “Diz-me 5 cores que estejas a ver. Consegues ver alguma coisa azul?”

Se a pessoa não está responsiva, deve utilizar o Grounding:

Grounding

1. “Deite-se ou sente-se de forma confortável. Execute os movimentos com suavidade. À medida que vai executando os movimentos é importante concentrar a sua atenção na zona do corpo que está tensa ou sensação de formigueiro, observando as sensações físicas nessa zona; Imaginando que sente os braços dormentes: 2. Feche os punhos com força. Faça força e mantenha durante 5 segundos, dirija a atenção para os punhos; 3. Agora abra a mão e relaxe durante 10 a 15 segundos, dirigindo a atenção para essa zona; 4. Repita novamente; 5. Agora troque de mão e repita o procedimento. Repita as vezes necessárias; 6. Faça músculo com força no braço. Faça força e mantenha durante 5 segundos, dirigindo a atenção para o braço; 7. Agora relaxe o músculo do braço durante 10 a 15 segundos e observe as sensações físicas no braço. Repita novamente; 8. Troque de braço e repita o procedimento; 9. Repita as vezes necessárias até obter o relaxamento da zona do corpo.”

Para relaxamento e eliminação da sensação de dormência

Relaxamento muscular