Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

GEO.

GO!

I Área metropolitana de Lisboa e Área metropolitana de Porto

As Áreas Metropolitanas

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

FIM

--Indíce--

Parte 1

Definição; Constituição; Localização (AMP e AML); Competências/Características

  • As áreas metropolitanas são espaços que incluem a cidade principal; a área suburbana e as suas cidades. No qual, se desenvolvem relações de forte interdependência e complementaridade com intensos e complexos fluxos demográficos e económicos.

1)Definição

1)Definição; 2)Constituição; 3)Localização AML/AMP; 4)Competências/Características

Parte 1

2) Constituição

1)Definição; 2)Constituição; 3)Localização AML/AMP; 4)Competências/Características

Parte 1

  • Em Portugal, a suburbanização foi mais intensa em torno de Lisboa e do Porto. A relação de dependência das áreas suburbanas face às duas metrópoles foi-se transformando numa dinâmica de complementaridade, que hoje se estabelece também entre os diferentes municípios suburbanos. Tornou-se necessária a concertação na tomada de decisões, para prevenir e resolver problemas comuns e aproveitar as potencialidades dos diferentes municípios para o desenvolvimento de todos. Para isso, criaram-se, em:
  1. 1991- as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto;
  2. 2008- as comunidades intermunicipais, conjunto de municípios de cada NUTS III.

3) Localização AML/AMP

1)Definição; 2)Constituição; 3)Localização AML/AMP; 4)Competências/Características

Parte 1

• Participar na elaboração dos planos e programas de investimentos públicos com incidência na área metropolitana. • Promover o planeamento e a gestão da estratégia de desenvolvimento económico, social e ambiental do território abrangido. • Articular investimentos municipais de caráter metropolitano. • Participar na gestão de programas de apoio ao desenvolvimento regional, designadamente no âmbito do quadro de apoio comunitário. • Participar, nos termos da lei, na definição de redes de serviços e equipamentos de âmbito metropolitano. • Participar em entidades públicas de âmbito metropolitano, designadamente no domínio dos transportes, águas, energia e tratamento de resíduos sólidos. • Planear a atuação de entidades públicas de caráter metro-politano.

4)Competências/Característcas

1)Definição; 2)Constituição; 3)Localização AML/AMP; 4)Competências/Características

Parte 1

4)Característcas

1)Definição; 2)Constituição; 3)Localização AML/AMP; 4)Competências/Características

Parte 1

Polarização do território elevado dinamismo económico e funcional atrai população e emprego.

Movimentos pendulares Consequência da desconcentração urbana, que obriga a população a realizar diariamente deslocações entre casa/trabalho e vice-versa.

Intensos fluxos de pessoas e bens Motivados pelo trabalho, cultura, ensino, ou outros, população e bens deslocam-se frequentemente para a cidade principal.

Desconcentração das atividades ligadas à indústria, ao comércio e aos serviços

Decréscimo da populacao na área central da cidade principal

Dinamismo demográfico

Parte 2

- Dinamismo Demográfico

'O dinamismo demográfico das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto evidencia-se pela elevada concentração populacional e pelo aumento de população, que, no entanto, abrandou na última década, embora com diferenças entre municípios.'

Densidade populacional nos municípios das AM do Porto e Lisboa, 2021

Dinamismo demográfico

Parte 2

Figura 3

Após a visualização e análise deste mapa, concluímos que:

  • Na AMP existe uma maior concentração de habitantes, ressaltando as seguintes: Porto, Matosinhos, Maia, Valongo Vila Nova de Gaia e Espinho. Diminuindo gradualmente consoante se vai entrando para o interior do país.
  • Na AML há um elevado de habitantes nas áreas de Sintra, Cascais, oeiras, Lisboa, Almada e Barreira.

Evolução da população residente nas áreas metropolitanas em Portugal, entre 1991 e 2021

Dinamismo demográfico

Parte 2

Figura 48

Após a análise deste gráfico, verificámos que:

  • A AML teve uma maior evolução da população, e, é bastante claro essa subida ao longo dos anos, começando no ano de 1991 com apenas 2 520 708 e chegando a 2021 com 2 971 043 habitantes. Tendo um aumento de 450 335 residentes.
  • A AMP teve na mesma a sua evolução, aumentando o número de habitantes, porém não foi tão significativa e notória como a da AML. Em 1991 tinha 1 595 79 residentes e, subindo lentamente, em 2021 já tinha 1 737 395. Aumentando do ano 1991 até 2021, 141 603 habitantes.

Estrutura etária da população que reside nos concelhos da AML e da AMP e em Portugal, em 2019

Dinamismo demográfico

Parte 2

Figura 55

De acordo com a interpretação deste gráfico:

  • Nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa, a estrutura etária de jovens em ambos é predominante, na população entre os 15 aos 24. O maior número é mesmo a nível da população ativa.
  • A população acima dos 65 anos, a população mais velha, na AML é alta, sobretudo em Lisboa, Oeiras e Barreiro.
  • Já na AMP, também é elevada, mas destaca-se mais no Porto, Espinho e Vale de Coimbra.

Dinamismo económico

Parte 3

Figura 1

Emprego por setores de atividade económica nos municípios da AMP e da AML, 2018

Dinamismo económico

Parte 3

  1. Na AMP existe todos os tipos de setores económicos, mas os setores que mas predominam são: o 2º setor, o 3º setor e por fim o setor 1º+2º juntos.
  2. Já na AML também existem todos os tipo de setores económicos, mas os setores que mais estão presentes e se destacam maioritariamente na AML são : o 2º setor e o 3º.

Dinamismo económico

Parte 3

Ganho médio mensal dos trabalhadores nos municípios da AMP e da AML, 2018

  1. Na AMP o ganho mensal em € é superior no Porto, Matosinhos e em Maia, com cerca de 1101 a 1500 ganho mensal, e o menor valor de ganho mensal está presente em Arouca, Espinho Póvoa do Varzim... com por volta de 800 a 1000€ de ganho.
  2. Na AML o ganho mensal em € é maior em Alcochete, Lisboa e Oeiras com mais de 1500€ mensais. O menor valor de ganho mensal está localizado em Mafra, Sesimbra e Montijo... com cerca de 800 a 1000€ ganhos mensais.

Figura 2

Dinamismo económico

+INFO

Parte 3

Fatores de localização industrial; Especialização regional; Centros de produção de conhecimento e inovação

Parte 4

complementaridade entre diferentes ramos industriais;

Fatores de localização industrial; Especialização regional; Centros de produção de conhecimento e inovação

Parte 4

1)Fatores de localização industrial

infraestruturas de água, energia, telecomunicações, entre outras;

disponibilidade de mão de obra, quer pouco qualificada quer especializada;

boas acessibilidades, tanto no território nacional como para o exterior;

presença de centros universitários e de outros polos de investigação e inovação.

serviços às empresas, em maior número na AML;

6

5

4

1

2

3

Fatores de localização industrial; Especialização regional; Centros de produção de conhecimento e inovação

Parte 4

2) Especialização regional

  • Há ainda a considerar a especialização regional da indústria transformadora, relativamente ao emprego e ao volume de negócios, uma vez que as sinergias e complementaridades favorecem o desenvolvimento e a inovação.

Fatores de localização industrial; Especialização regional; Centros de produção de conhecimento e inovação

Parte 4

3) Centros de produção de conhecimento e inovação

  • O desenvolvimento industrial associa-se à investigação e ao conhecimento científico, sendo que um dos problemas que se apontava ao tecido industrial português era a sua fraca ligação às universidades e à investigação. Parece que essa limitação está a ser ultrapassada, sobretudo por alguns setores industriais que se organizaram e constituíram parcerias para a inovação, com vista a aumentar a produtividade e a competitividade internacional.
  • Salienta-se o desenvolvimento das áreas de investigação científica que, inseridas no contexto comunitário, ganharam visibilidade, catapultando cientistas e investigadores portugueses para um nível de qualidade reconhecida internacionalmente

FIM!

Esperemos que tenham gostado!

Trabalho realizado por:Afonso Silva;Beatriz Santos;Tomás Silva;Tiago Trindade.

Figura 1

Indicadores económicos das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, face às restantes regiões do país (2018)

  • Quando falamos de emprego a AMP é a área que tem menor percentagem (%) comparando com AML e o resto do país tem 54%.
  • Já a nível do PIB, a AMP tem a menor percentagem com 17%, depois a AML com 36% e por fim o resto do país com 48%.
  • No 3º indicador, podemos ver que a AML e a AMP têm cerca de 534 288 empresas e o resto do país com 662 465 empresas. O resto do país tem 1 242 693 empresas com 45% e os outros 55% nas AML e AMP, com estas com o Produto Bruto de 52%, o 46% de emprego e o volume de negócios de 62% .

Pela análise da Fig. 1, podemos concluir que, na especialização regional, evidenciam-se:• a indústria farmacêutica, com mais de 60% do volume de negócios em Lisboa;•têxteis, vestuário, couro, mobiliário, madeira e cortiça nos distritos do Noroeste, tradicionalmente associados às matérias-primas da região, como lã, linho...;• a indústria química e de equipamentos elétricos, em ambas as áreas;• a indústria alimentar, com maior dispersão, no Porto e em Lisboa;• a indústria automóvel, que é mais importante nos distritos do Porto, Aveiro e Braga, a que não é alheia a instalação da Bosch Car, em Braga, no ano de 2018.

Distribuição do emprego (A) e volume de negócios (B) dos principais ramos industriais, por distrito, em 2018