Want to make creations as awesome as this one?

Uma viagem pela Constelação Cultural tupi guarani Tapi'i, a Anta do Norte.

Transcript

Anta do norte

Tapi'i

A Linha do Equador Galáctico marca o plano principal da galáxia que habitamos - a Via Láctea, como chamaram os gregos ou o Caminho da Anta do Norte, como chamaram povos originários sul-americanos.


Muitas constelações culturais, como a Anta do Norte, foram criadas inspiradas nas regiões claras e escuras que formam um rastro ou "Caminho de Estrelas", associando o grupo de estrelas à natureza e mitologias expressando seus conhecimentos e valores culturais.


Céu do início da noite, visto da cidade do Rio de Janeiro, mês de setembro, 2022. Planetário Stellarium.


É explicada mitologicamente como um jato de leite das constelações gregas ou um caminho da Anta e outros bichos celestes.


Asterismo da Anta do Norte e o Caminho da Anta. Planetário Stellarium.


Observando o mapa planificado do céu abaixo, podemos observar as constelações culturais da Ema, do Cervo, da Anta do Norte e do Homem Velho, todas ao longo da Via Láctea ou objetos luminosos próximos da faixa da galáxia.



Via Láctea completa ao redor da esfera celeste terrestre. Observe as constelações culturais tupi-guarani construídas ao redor de suas regiões escuras e brilhantes.








A Anta do Norte e a Primavera Austral


O dia 22 de setembro de 2022 marca o equinócio de primavera austral, quando o Sol atravessa a Linha do Equador na esfera celeste vindo do hemisfério celeste norte, e passará os próximos meses cada vez mais ao hemisfério celeste sul.


A passagem do Sol pela linha do equador celeste determina o momento exato do equinócio de primavera austral em todo o hemisfério sul.


Acompanhe no vídeo abaixo, como a Anta do Norte será observada nessa data especial.



Tapi'i


A faixa da Via Láctea no céu é como vemos a galáxia de onde estamos, visualizando suas estrelas e regiões de dentro da própria galáxia.

Suas regiões luminosas e escuras inspiraram diferentes culturas a imaginar, visualizar objetos e a contar histórias, relacionando o céu e a terra.

Essa região sempre na direção do ponto cardeal Norte, indica uma estação do ano e foi associada à Anta do Norte, um animal que se esbalda na primavera. Deste modo, a região celeste passou a representar Tapi'i, uma anta, que caminha pelo Tapi'i rapé, o Caminho das Antas.


Anta (Tapirus terrestris).rupestreherbert. Licença CC-BY-NC-4.0.


Comparando com as constelações ocidentais, o grupo de estrelas da Anta do Norte fica entre as constelações ocidentais de Andrômeda, Cisne, Cefeu e Lagarto.


Tapi'i emerge do horizonte, ao redor do ponto cardeal norte, ao anoitecer das noites de setembro, especialmente a partir da noite de 15 de setembro.

Antas (Tapirus terrestris). Acervo iNaturalist. Licença CC-BY-NC-SA-4.0.


Isso a torna um indicador climático, associada ao clima local ao mês de setembro que pode variar bastante em um país continental como o Brasil. E um indicador global pois é o período em que comemoramos o Equinócio da Primavera Austral no hemisfério sul (Outono Boreal no hemisfério norte).


Como o Brasil é um pais com muitas latitudes, ela é observada de diferentes modos em diferentes cidades da América do Sul.

Podendo estar mais próxima do horizonte ou um pouco mais alta no céu dependendo da latitude da cidade de onde é observada.


Veja como ela é vista em algumas cidades,


Em Belém do Pará, ela é totalmente visível saltando o ponto cardeal Norte. Observe que suas narinas estão mais afastadas no ponto cardeal norte).




Em Salvador, ela é vista um pouco mais próxima do horizonte. Como a cidade de Salvador tem uma latitude mais ao sul do que Belém, é como se todo o céu visto de Salvador tivesse caído um pouco pro norte, comparado ao céu de Belém.



No Rio de Janeiro, ela parece caminhar sobre o horizonte e dar um salto sobre o ponto cardeal Norte. Ela inicia nascendo próximo ao NE e conforme a Terra gira, vemos a Anta do Norte saltar o ponto cardeal N, até se por próximo ao NO.



Na cidade argentina de Buenos Aires, ela fica apenas com a cabeça acima do horizonte.



Quanto mais ao sul do hemisfério sul você estiver, menos você consegue ver a Anta do Norte, acima do horizonte.

Uma questão de latitude, de onde no planeta você está vendo a esfera celeste.


DESAFIO

Descubra a partir de que cidade argentina, a Anta do Norte deixa de ser vista por estar sempre totalmente abaixo da linha do horizonte.















Tapi'i

Asterismo da Constelação Tupi Guarani da Anta do Norte



Asterismo da Constelação Cultural Tupi-Guarani da Anta do Norte, atravessado pela linha do Equador Galáctico

na esfera celeste terrestre. Planetário Stellarium.


“A constelação da Anta do Norte é conhecida principalmente pelas etnias de índios brasileiros que habitam na região norte do Brasil, tendo em vista que para as etnias da região sul ela fica muito próxima da linha do horizonte. Ela fica totalmente na Via Láctea, que participa muito nas definições de seu contorno, fornecendo uma imagem impressionante dessa constelação.


Existem outras constelações representando uma Anta (Tapi’i, em guarani) na Via Láctea, por isso [para diferenciá-las] chamamos essa constelação de Anta do Norte. A Via Láctea é chamada de Caminho da Anta... (...)


A constelação da Anta do Norte fica na região do céu limitada pelas constelações ocidentais Cygnus (Cisne) e Cassiopeia (Cassiopeia). Ela é formada utilizando, também, estrelas da constelação Lacerta (Lagarto), Cepheus (Cefeu) e Andromeda (Andrômeda).


A estrela Alfa Cygni (Deneb, em Cisne) representa o focinho da Anta do Norte.

As estrelas 55-Cygni, Xi Cygni e 59-Cygni representam sua boca.

O restante da cabeça é formado pelas estrelas 74 Cygni, Sigma Cygni, Nu Cygni, 56 Cygni, 63 Cygni e Pi2 Cygni.

As estrelas Tau Cygni e 72-Cygni representam as orelhas da Anta do Norte.


A parte de cima do pescoço começa em SAO 51904 (2 Lacertae) e a parte de baixo em Zeta Cephei.


A parte de baixo do corpo da Anta do Norte começa a ser formada pela estrela Zeta Cephei, passando pelas estrelas Beta Cassiopeiae (Caph) e Alfa Cassiopeiae (Schedar), terminando em Zeta Cassiopeiae.


As duas pernas da frente começam em Zeta Cephei, sendo que uma delas termina em Alfa Cephei (Alderamin) e a outra termina Iota Cephei.


As duas pernas de trás começam em Beta Cassiopeiae (Caph), sendo que uma delas termina em Kappa Cassiopeiae e a outra em Delta Cassiopeiae (Ruchbah).


A cauda da Anta do Norte é representada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae e Mu Cassiopeiae.


A parte de cima do corpo da Anta do Norte é formada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae, Psi Andromedae e Lambda Andromedae, terminando na estrela SAO 51904 (2 Lacertae), onde começa o seu pescoço”.


Germano Bruno Afonso, 2005


Saiba mais sobre as estrelas do asterismo da Anta do Norte no artigo do Prof. Germano Bruno Afonso, clicando aqui.


Bioidentidade

Reino: Animalia.

Classe: Mammalia (mamíferos).

Ordem: Perissodactyla

Família: Tapiridae

Gênero: Tapirus

Espécie: Tapirus terrestris (com quatro subespécies americanas)


Existem duas espécies de anta no Brasil (T. terrestris, T. kabamani), são os maiores mamíferos terrestres da América do Sul (OLIVEIRA, et al., 2018).


Nomes populares: tapir, anta-brasileira, anta comum, anta-gameleira, anta-sapateira, antaxuré, batuvira, pororoca, tapiira, tapira e tapiretê.


O termo anta deriva do árabe lamTa.

E Tapiira, tapir e tapira derivam do termo tupi tapi'ira, que significa, "boi da floresta"

Tapiretê deriva do tupi tapire'tê, "tapir verdadeiro".


A Anta (Tapirus terrestris) é uma espécie que inspirou a constelação cultural Tupi Guarani do Anta do Norte. É o maior mamífero terrestre do Brasil, podendo chegar a 300 quilos de massa e 2 metros de comprimento. incluindo uma diminuta cauda de 10 centímetros.


Ela ocorre desde o sul da Venezuela até o norte da Argentina, em áreas abertas ou florestas próximas a cursos d'água, com abundância de palmeiras.


Segundo a Astronomia Cultural tupi guarani, na segunda quinzena de setembro, a Anta Tapi'i surge totalmente acima do horizonte ao anoitecer, próxima ao ponto cardeal Norte. indicando o início da Primavera Austral (hemisfério sul).


Anta do Norte Tapi'i nascendo no horizonte no Equinócio de Primavera Austral. Rio de Jaeiro. Planetário Stellarium.

Quando aparece totalmente no céu no início da noite, anuncia a chegada do Equinócio de Primavera Austral (Hemisfério Sul). Esse evento marca o fim do chamado Tempo Velho, que vai do início do outono austral até o início da primavera austral, para os índios Guarani.


Se você olhar no sentido do ponto cardeal norte, a partir de meados de setembro, a partir das 18h, vai conseguir enxergar algumas estrelas que compõem esta constelação, na região celeste que inclui as Constelações Ocidentais de Cisne, Andrômeda, Lagarto, Cefeu e Cassiopeia.


"As constelações dos Guarani Mbya diferem das constelações ocidentais, principalmente, em dois aspectos:

- O primeiro é que as constelações mais importantes para os ocidentais são aquelas situadas próximas à Linha da Eclíptica Solar ou Linha Zodiacal e aos Polos celestes. Já para os Guarani Mbya, as constelações mais significativas estão situadas na Via-Láctea [sobre o Equador Galáctico].

- O segundo é que os desenhos das constelações ocidentais são feitos pela união de estrelas, como naquela brincadeira de ligar os pontos. Para os Guarani Mbya, o que forma os desenhos são as manchas escuras, as manchas claras e a união das estrelas." Omar Martins, 2021.


Conheça mais sobre a Anta Brasileira


Portal iNaturalist/BiodiversityForAll.

Encontre fotos e registros de antas em toda a América do Sul. no site

https://www.biodiversity4all.org/taxa/43352-Tapirus.


Projeto Anta, Instituto Manacá

Conheça o Projeto Anta no site http://www.institutomanaca.org.br/projeto_anta.html.


Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira (INCAB)

Conheça o INCAB no site https://tapirconservation.org.br/br/.


Pró-Tapir

Conheça o site do Pró-Tapir https://www.protapir.org/.


Projeto Refauna

Conheça as ações do Refauna em https://refauna.com.br/.





FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ


Presidente

Nísia Trindade Lima

Diretor da Casa de Oswaldo Cruz

Marcos José de Araújo Pinheiro

Chefe do Museu da Vida

Héliton da Silva Barros


SERVIÇO DE ITINERÂNCIA CIÊNCIA MÓVEL

Ana Carolina de Souza Gonzalez

Fernanda Marcelly de Gondra França

Flávia Souza Lima

Lais Lacerda Viana

Marta Fabíola do V. G. Mayrink (Coordenação)

Paulo Henrique Colonese

Rodolfo de Oliveira Zimmer


CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

Ana Carolina do Amaral Pitta

Bruno Henrique Gonçalves de Oliveira

Caroline Ribeiro Almeida

Izabela Cristina Bittencourt Rodrigues

Paulo Henrique Colonese (Coordenação)


ILUSTRAÇÃO

Caio Lopes do Nascimento Baldi


TECNOLOGIAS

Stellarium, OBS Studio, VideoScribe, Canva, Genial.ly

Paulo Henrique Colonese (Coordenação)


APOIO ADMINISTRATIVO

Fábio Pimentel


MÍDIAS E DIVULGAÇÃO

Renata Bohrer

Rita de Cássia da Costa Alcântara (Coordenação)


CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Escritório de Captação da Fiocruz


GESTÃO CULTURAL

Sociedade de Promoção da Casa de Oswaldo Cruz


Fiocruz - COC

2022



Anta do norte

Tapi'i

Estrela Zeta Cygni (Zeta do Cisne)

Distância média do sistema: 150 anos-luz.

Sistema binário (ou múltiplo)


A olho nu é uma estrela à frente da cabeça da Anta, não pertence ao asterismo da Anta do Norte, mas pode ajudar a localizar a Anta.

Ela forma a asa esquerda da Constelação Ocidental do Cisne.

Com telescópios modernos e observações, descobriu-se que é um sistema múltiplo de estrelas.


A estrela primária Zeta Cygni A é uma estrela gigante, provavelmente uma gigante vermelha de aglomerado.

Tem cerca de três vezes a massa do Sol e se expandiu para cerca de 15 vezes o raio do Sol. Ela está irradiando 112 vezes o brilho do Sol de sua atmosfera externa a uma temperatura efetiva de 4.910 Kelvins. Nessa temperatura, a estrela brilha com o tom amarelo de uma estrela do tipo G.

A estrela secundária, Zeta Cygni B é uma anã branca.


As estrelas orbitam uma a outra a cada 6.489 dias (17,8 anos).

A anã branca não pode ser vista diretamente, e estima-se que tenha uma magnitude aparente de 13,2.


Zeta Cygni tem uma superabundância do elemento químico Bário, bem como outros elementos químicos pesados em sua atmosfera, tornando-se uma estrela chamada de bário "suave".


Estrela Epsilon Cygni (Epsilon de Cisne)

Distância média do sistema: 72 anos-luz.

Sistema binário.



A olho nu é uma estrela à frente da cabeça da Anta, não pertence ao asterismo da Anta do Norte, mas pode ajudar a localizar a Anta.

Ela forma a asa esquerda da Constelação Ocidental do Cisne.

Com telescópios modernos e observações, descobriu-se que é um sistema binário de estrelas, formado por 2 estrelas.


A componente Epsilon Cygni A é uma gigante laranja.

A componente Epsilon Cygni B é um estrela muito pequena, com cerca de um terço do diâmetro do Sol.

Também é conhecida pelo nome cultural de Gienah Cygni, ou Gliese Cygni.


Estrela Gamma Cygni (Gama de Cisne)

Distância média do sistema: 1.800 anos-luz.

Sistema múltiplo de estrelas.



A olho nu é uma estrela à frente da cabeça da Anta, não pertence ao asterismo da Anta do Norte, mas pode ajudar a localizar a Anta.

Ela forma a asa esquerda da Constelação Ocidental do Cisne.

Com telescópios modernos e observações, descobriu-se que é um sistema múltiplo de estrelas.


Na parte inferior podemos ver a brilhante estrela das narinas da Anta do Norte. Um pouco acima as três estrelas que formam o peito e asa da constelação ocidental do Cisne.



A componente primária Gama de Cisne A faz parte de um sistema estelar múltiplo designado WDS J20222+4015.

A componente secundária Gama de Cisne BC é CCDM J20222+4015BC, um par próximo de estrelas a 40" de distância angular de Gama de Cisne A.


Seu nome tradicional é Sadr, derivado do árabe ṣadr "peito" do cisne. Em 2016, a IAU aprovou o nome Sadr para esta estrela (WDS J20222+4015A).

Comparada com o Sol, Gama Cygni A é uma estrela enorme, com 12 vezes a massa do Sol e cerca de 150 vezes o diâmetro do Sol.


Estrela Tau Cygni (65 Cygni, Tau de Cisne)

Distância média:68 anos-luz.

Sistema .


Ela marca a extremidade da orelha esquerda da Anta do Norte.









Estrela Alfa Cygni (Alfa de Cisne)

Distância média: 2.613 anos-luz.




Ela marca a extremidade das narinas da Anta do Norte.

Conhecida pelo nomenclatura ocidental como Deneb, a Alfa de Cisne é a estrela mais brilhante da constelação ocidental de Cisne e da constelação cultural tupi-guarani Anta do Norte.

É a décima-nona estrela mais brilhante do céu terrestre.

Seu diâmetro é cerca de 200 vezes o diâmetro do Sol, uma das maiores estrelas da Galáxia!


E a estrela forma com as estrelas Vega (em Lira) e Altair (em Águia), o chamado Triângulo de Verão.





Estrela 72 Cygni, 72 de Cisne)

Distância média:.

Sistema .


Ela marca a extremidade da orelha direita da Anta do Norte.












Objeto Messier 31: M31

Galáxia de Andrômeda







Estrela XI Cygni (62 Cygni, Xi de Cisne)

Distância média: 842,80 anos-luz (Projeto Hipparcus, 2007).

Sistema .


Ela marca a extremidade da boca da Anta do Norte.


É uma estrela super gigante com diâmetro de cerca 142,3 diâmetros solares.

É uma estrela com brilho variável.

As estrelas variáveis causaram muito espanto quando sua variação foi observada.










Estrela 55 Cygni (55 de Cisne)

Distância: 2.329,74 anos-luz (Projeto Hipparcus, 2007).

Sistema duplo.


A estrela marca a extremidade superior (lábio) da boca da Anta do Norte.


É uma estrela supergigante azul, dupla.

O diâmetro da estrela principal é estimado em 68,65 diâmetros solares.

O sistema possui magnitude (brilho) variável.

A estrela principal tem magnitude 4,84 (visível a olho nu) e a estrela secundária 11,14 (apenas com medidas de telescópios poderosos).

Sua magnitude oscila em 6,3. Pode ser observada em céus escuros ou de interior, mas é muito difícil de ver em céus de cidades iluminadas.















Estrela 59 Cygni (59 de Cisne)

Distância: 1.418,10 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Sistema duplo ou múltiplo.


Ela marca a extremidade inferior da boca (lábio / queixo) da Anta do Norte.




É uma estrela azul gigante de magnitude (brilho) variável.

Seu diâmetro é de 9,10 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

É visível sem ajuda de telescópios.

Ela forma um sistema duplo ou múltiplo de estrelas.














Estrela Alpha Cephei (Alfa de Cefeu, 5 Cefeu)

Nome cultural ocidental: Alderamin.

Distância: 49,05 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 2,71 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

Sistema estelar duplo ou múltiplo.


Ela marca a extremidade (pé) da perna dianteira direita da Anta do Norte.




É uma estrela subgigante branco-azulada na Constelação Ocidental de Cefeu, com cerca de 2,71 diâmetros solares.


















Estrela Zeta Cephei (21 Cephei, Zeta de Cefeu)

Distância: 836,32 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 109,68 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

Sistema estelar duplo ou múltiplo.


Ela marca a extremidade superior (corpo) das pernas dianteiras da Anta do Norte.




É uma estrela supergigante laranja-avermelhada, muito luminosa na Constelação Ocidental de Cefeu, com cerca de 110 diâmetros solares.

Como é bastante luminosa, não é difícil observá-la da Terra.



É um sistema binário de estrelas eclipsante, com sua magnitude variando periodicamente em cerca de 7,5 dias.















Estrela Iota Cephei (32 Cephei, Iota de Cefeu)

Distância: 115,29 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 9,70 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).


Ela marca a extremidade (pé) da perna dianteira esquerda da Anta do Norte.



É uma estrela gigante laranja-avermelhada, com quase 10 diâmetros solares.

É visivel da Terra.






















Estrela Beta Cassiopeiae (11 Cas, Beta de Cassiopeia)

Nome cultural ocidental: Caph.

Distância: 54,74 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 3,50 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

Sistema estelar binário ou múltiplo.


Ela marca a extremidade superior das pernas traseiras da Anta do Norte.



É uma estrela subgigante branco-azulada, com cerca de 3,50 diâmetros solares.

















Estrela Gamma Cassiopeiae (27 Cas, Gama de Cassiopeia)

Nome cultural ocidental: Cih.

Distância: 549,10 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 21,41 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

.


Ela marca o joelho esquerdo traseiro da Anta do Norte.



É uma estrela subgigante branco-azulada, com cerca de 21 diâmetros solares.






















Estrela Delta Cassiopeiae (37 Cas, Delta de Cassiopeia)

Nome cultural ocidental: Ruchbah.

Distância: 99,41 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 4,33 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

.Sistema binário ou múltiplo.


Ela marca o pé esquerdo traseiro da Anta do Norte.



É uma estrela branco-azulada.

Uma estrela do tipo variável eclipsante, variando magnitude periodicamente.























Estrela Eta Cassiopeiae (24 Cas, Eta de Cassiopeia)

Nome cultural ocidental: Achird.

Distância: 19,42 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 1,05 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).


Ela marca a extremidade da cauda da Anta do Norte.





É uma estrela branco-alaranjada.


Fica próxima da direção da Nebulosa Pacman, um berçario de estrelas.






















Estrela Alpha Cassiopeiae (18 Cas, Alfa de Cassiopeia)

Nome cultural ocidental: Schedar.

Distância: 228,25 anos-luz (Projeto Hipparcos, 2007).

Diâmetro: 35,60 diâmetros solares (Projeto Hipparcos, 2007).

Sistema binário ou múltiplo de estrelas.


Ela marca a parte inferior da traseira a Anta do Norte.



É uma estrela gigante branco-alaranjada.



























A Linha do Equador Galáctico marca o plano principal da Via Láctea, o Caminho da Anta do Norte.

Muitas constelações culturais, como a Anta do Norte, são criadas inspiradas nas regiões claras e escuras que formam o "Caminho de Estrelas".



O jato de leite das constelações ocidentais ou o caminho da Anta e outros bichos celestes.


Asterismo da Anta do Norte e o Caminho da Anta. Planetário Stellarium.






Via Láctea completa ao redor da esfera celeste terrestre. Observe as constelações culturais tupi-guarani construídas ao redor de suas regiões escuras e brilhantes.








A Anta do Norte e a Primavera Austral


O dia 22 de setembro de 2022 marca o equinócio de primavera austral, quando o Sol atravessa a Linha do Equador na esfera celeste vindo do hemisfério celeste norte, e passará os próximos meses cada vez mais ao hemisfério celeste sul.


A passagem do Sol pela linha do equador celeste determina o momento exato do equinócio de primavera austral em todo o hemisfério sul.


Acompanhe no vídeo abaixo, como a Anta do Norte será observada nessa data especial.



Tapi'i


A faixa da Via Láctea no céu é como vemos a galáxia de onde estamos, visualizando suas estrelas e regiões de dentro da própria galáxia.

Suas regiões luminosas e escuras inspiraram diferentes culturas a imaginar, visualizar objetos e a contar histórias, relacionando o céu e a terra.

Essa região sempre na direção do ponto cardeal Norte, indica uma estação do ano e foi associada à Anta do Norte, um animal que se esbalda na primavera. Deste modo, a região celeste passou a representar Tapi'i, uma anta, que caminha pelo Tapi'i rapé, o Caminho das Antas.


Anta (Tapirus terrestris).rupestreherbert. Licença CC-BY-NC-4.0.


Comparando com as constelações ocidentais, o grupo de estrelas da Anta do Norte fica entre as constelações ocidentais de Andrômeda, Cisne, Cefeu e Lagarto.


Tapi'i emerge do horizonte, ao redor do ponto cardeal norte, ao anoitecer das noites de setembro, especialmente a partir da noite de 15 de setembro.

Antas (Tapirus terrestris). Acervo iNaturalist. Licença CC-BY-NC-SA-4.0.


Isso a torna um indicador climático, associada ao clima local ao mês de setembro que pode variar bastante em um país continental como o Brasil. E um indicador global pois é o período em que comemoramos o Equinócio da Primavera Austral no hemisfério sul (Outono Boreal no hemisfério norte).


Como o Brasil é um pais com muitas latitudes, ela é observada de diferentes modos em diferentes cidades da América do Sul.

Podendo estar mais próxima do horizonte ou um pouco mais alta no céu dependendo da latitude da cidade de onde é observada.


Veja como ela é vista em algumas cidades,


Em Belém do Pará, ela é totalmente visível saltando o ponto cardeal Norte. Observe que suas narinas estão mais afastadas no ponto cardeal norte).




Em Salvador, ela é vista um pouco mais próxima do horizonte. Como a cidade de Salvador tem uma latitude mais ao sul do que Belém, é como se todo o céu visto de Salvador tivesse caído um pouco pro norte, comparado ao céu de Belém.



No Rio de Janeiro, ela parece caminhar sobre o horizonte e dar um salto sobre o ponto cardeal Norte. Ela inicia nascendo próximo ao NE e conforme a Terra gira, vemos a Anta do Norte saltar o ponto cardeal N, até se por próximo ao NO.



Na cidade argentina de Buenos Aires, ela fica apenas com a cabeça acima do horizonte.



Quanto mais ao sul do hemisfério sul você estiver, menos você consegue ver a Anta do Norte, acima do horizonte.

Uma questão de latitude, de onde no planeta você está vendo a esfera celeste.


DESAFIO

Descubra a partir de que cidade argentina, a Anta do Norte deixa de ser vista por estar sempre totalmente abaixo da linha do horizonte.
















FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ


Presidente

Nísia Trindade Lima

Diretor da Casa de Oswaldo Cruz

Marcos José de Araújo Pinheiro

Chefe do Museu da Vida

Héliton da Silva Barros


SERVIÇO DE ITINERÂNCIA CIÊNCIA MÓVEL

Ana Carolina de Souza Gonzalez

Fernanda Marcelly de Gondra França

Flávia Souza Lima

Lais Lacerda Viana

Marta Fabíola do V. G. Mayrink (Coordenação)

Paulo Henrique Colonese

Rodolfo de Oliveira Zimmer


CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

Ana Carolina do Amaral Pitta

Bruno Henrique Gonçalves de Oliveira

Caroline Ribeiro Almeida

Izabela Cristina Bittencourt Rodrigues

Paulo Henrique Colonese (Coordenação)


ILUSTRAÇÃO

Caio Lopes do Nascimento Baldi


TECNOLOGIAS

Stellarium, OBS Studio, VideoScribe, Canva, Genial.ly

Paulo Henrique Colonese (Coordenação)


APOIO ADMINISTRATIVO

Fábio Pimentel


MÍDIAS E DIVULGAÇÃO

Renata Bohrer

Rita de Cássia da Costa Alcântara (Coordenação)


CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Escritório de Captação da Fiocruz


GESTÃO CULTURAL

Sociedade de Promoção da Casa de Oswaldo Cruz


Fiocruz - COC

2022



Tapi'i

Asterismo da Constelação Tupi Guarani da Anta do Norte



Asterismo da Constelação Cultural Tupi-Guarani da Anta do Norte, atravessado pela linha do Equador Galáctico

na esfera celeste terrestre. Planetário Stellarium.


“A constelação da Anta do Norte é conhecida principalmente pelas etnias de índios brasileiros que habitam na região norte do Brasil, tendo em vista que para as etnias da região sul ela fica muito próxima da linha do horizonte. Ela fica totalmente na Via Láctea, que participa muito nas definições de seu contorno, fornecendo uma imagem impressionante dessa constelação.


Existem outras constelações representando uma Anta (Tapi’i, em guarani) na Via Láctea, por isso [para diferenciá-las] chamamos essa constelação de Anta do Norte. A Via Láctea é chamada de Caminho da Anta... (...)


A constelação da Anta do Norte fica na região do céu limitada pelas constelações ocidentais Cygnus (Cisne) e Cassiopeia (Cassiopeia). Ela é formada utilizando, também, estrelas da constelação Lacerta (Lagarto), Cepheus (Cefeu) e Andromeda (Andrômeda).


A estrela Alfa Cygni (Deneb, em Cisne) representa o focinho da Anta do Norte.

As estrelas 55-Cygni, Xi Cygni e 59-Cygni representam sua boca.

O restante da cabeça é formado pelas estrelas 74 Cygni, Sigma Cygni, Nu Cygni, 56 Cygni, 63 Cygni e Pi2 Cygni.

As estrelas Tau Cygni e 72-Cygni representam as orelhas da Anta do Norte.


A parte de cima do pescoço começa em SAO 51904 (2 Lacertae) e a parte de baixo em Zeta Cephei.


A parte de baixo do corpo da Anta do Norte começa a ser formada pela estrela Zeta Cephei, passando pelas estrelas Beta Cassiopeiae (Caph) e Alfa Cassiopeiae (Schedar), terminando em Zeta Cassiopeiae.


As duas pernas da frente começam em Zeta Cephei, sendo que uma delas termina em Alfa Cephei (Alderamin) e a outra termina Iota Cephei.


As duas pernas de trás começam em Beta Cassiopeiae (Caph), sendo que uma delas termina em Kappa Cassiopeiae e a outra em Delta Cassiopeiae (Ruchbah).


A cauda da Anta do Norte é representada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae e Mu Cassiopeiae.


A parte de cima do corpo da Anta do Norte é formada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae, Psi Andromedae e Lambda Andromedae, terminando na estrela SAO 51904 (2 Lacertae), onde começa o seu pescoço”.


Germano Bruno Afonso, 2005


Saiba mais sobre as estrelas do asterismo da Anta do Norte no artigo do Prof. Germano Bruno Afonso, clicando aqui.


Tapi'i

Asterismo da Constelação Tupi Guarani da Anta do Norte



Asterismo da Constelação Cultural Tupi-Guarani da Anta do Norte, atravessado pela linha do Equador Galáctico

na esfera celeste terrestre. Planetário Stellarium.


“A constelação da Anta do Norte é conhecida principalmente pelas etnias de índios brasileiros que habitam na região norte do Brasil, tendo em vista que para as etnias da região sul ela fica muito próxima da linha do horizonte. Ela fica totalmente na Via Láctea, que participa muito nas definições de seu contorno, fornecendo uma imagem impressionante dessa constelação.


Existem outras constelações representando uma Anta (Tapi’i, em guarani) na Via Láctea, por isso [para diferenciá-las] chamamos essa constelação de Anta do Norte. A Via Láctea é chamada de Caminho da Anta... (...)


A constelação da Anta do Norte fica na região do céu limitada pelas constelações ocidentais Cygnus (Cisne) e Cassiopeia (Cassiopeia). Ela é formada utilizando, também, estrelas da constelação Lacerta (Lagarto), Cepheus (Cefeu) e Andromeda (Andrômeda).


A estrela Alfa Cygni (Deneb, em Cisne) representa o focinho da Anta do Norte.

As estrelas 55-Cygni, Xi Cygni e 59-Cygni representam sua boca.

O restante da cabeça é formado pelas estrelas 74 Cygni, Sigma Cygni, Nu Cygni, 56 Cygni, 63 Cygni e Pi2 Cygni.

As estrelas Tau Cygni e 72-Cygni representam as orelhas da Anta do Norte.


A parte de cima do pescoço começa em SAO 51904 (2 Lacertae) e a parte de baixo em Zeta Cephei.


A parte de baixo do corpo da Anta do Norte começa a ser formada pela estrela Zeta Cephei, passando pelas estrelas Beta Cassiopeiae (Caph) e Alfa Cassiopeiae (Schedar), terminando em Zeta Cassiopeiae.


As duas pernas da frente começam em Zeta Cephei, sendo que uma delas termina em Alfa Cephei (Alderamin) e a outra termina Iota Cephei.


As duas pernas de trás começam em Beta Cassiopeiae (Caph), sendo que uma delas termina em Kappa Cassiopeiae e a outra em Delta Cassiopeiae (Ruchbah).


A cauda da Anta do Norte é representada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae e Mu Cassiopeiae.


A parte de cima do corpo da Anta do Norte é formada pelas estrelas Zeta Cassiopeiae, Psi Andromedae e Lambda Andromedae, terminando na estrela SAO 51904 (2 Lacertae), onde começa o seu pescoço”.


Germano Bruno Afonso, 2005


Saiba mais sobre as estrelas do asterismo da Anta do Norte no artigo do Prof. Germano Bruno Afonso, clicando aqui.


Bioidentidade

Reino: Animalia.

Classe: Mammalia (mamíferos).

Ordem: Perissodactyla

Família: Tapiridae

Gênero: Tapirus

Espécie: Tapirus terrestres (com quatro subespécies americanas)

Existem duas espécies de anta no Brasil (T. terrestris, T. kabamani), são os maiores mamíferos terrestres da América do Sul (OLIVEIRA, et al., 2018).


Nomes populares: tapir, anta-brasileira, anta comum, anta-gameleira, anta-sapateira, antaxuré, batuvira, pororoca, tapiira, tapira e tapiretê.


O termo anta deriva do árabe lamTa.

E Tapiira, tapir e tapira derivam do termo tupi tapi'ira, que significa, "boi da floresta" Tapiretê deriva do tupi tapire'tê, "tapir verdadeiro".


A Anta (Tapirus terrestris) é uma espécie que inspirou a constelação cultural Tupi Guarani do Anta do Norte. É o maior mamífero terrestre do Brasil, podendo chegar a 300 quilos de massa e 2 metros de comprimento. incluindo uma diminuta cauda de 10 centímetros.


Ela ocorre desde o sul da Venezuela até o norte da Argentina, em áreas abertas ou florestas próximas a cursos d'água, com abundância de palmeiras.


Segundo a Astronomia Cultural tupi guarani, na segunda quinzena de setembro, a Anta Tapi'i surge totalmente acima do horizonte ao anoitecer, próxima ao ponto cardeal Norte. indicando o início da Primavera Austral (hemisfério sul).


Anta do Norte Tapi'i nascendo no horizonte no Equinócio de Primavera Austral. Rio de Jaeiro. Planetário Stellarium.

Quando aparece totalmente no céu no início da noite, anuncia a chegada do Equinócio de Primavera Austral (Hemisfério Sul). Esse evento marca o fim do chamado Tempo Velho, que vai do início do outono austral até o início da primavera austral, para os índios Guarani.


Se você olhar no sentido do ponto cardeal norte, a partir de meados de setembro, a partir das 18h, vai conseguir enxergar algumas estrelas que compõem esta constelação, na região celeste que inclui as Constelações Ocidentais de Cisne, Andrômeda, Lagarto, Cefeu e Cassiopeia.


"As constelações dos Guarani Mbya diferem das constelações ocidentais, principalmente, em dois aspectos:

- O primeiro é que as constelações mais importantes para os ocidentais são aquelas situadas próximas à Linha da Eclíptica Solar ou Linha Zodiacal e aos Polos celestes. Já para os Guarani Mbya, as constelações mais significativas estão situadas na Via-Láctea [sobre o Equador Galáctico].

- O segundo é que os desenhos das constelações ocidentais são feitos pela união de estrelas, como naquela brincadeira de ligar os pontos. Para os Guarani Mbya, o que forma os desenhos são as manchas escuras, as manchas claras e a união das estrelas." Omar Martins, 2021.


Conheça mais sobre a Anta Brasileira


Portal iNaturalist/BiodiversityForAll.

Encontre fotos e registros de antas em toda a América do Sul. no site

https://www.biodiversity4all.org/taxa/43352-Tapirus.


Projeto Anta, Instituto Manacá

Conheça o Projeto Anta no site http://www.institutomanaca.org.br/projeto_anta.html.


Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira (INCAB)

Conheça o INCAB no site https://tapirconservation.org.br/br/.


Pró-Tapir

Conheça o site do Pró-Tapir https://www.protapir.org/.


Projeto Refauna

Conheça as ações do Refauna em https://refauna.com.br/.