Want to make creations as awesome as this one?

Transcript

BIBLIOTECA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SEIA


Relembrar para não esquecer

“Quem salva uma vida salva a Humanidade”

Aristides de Sousa Mendes

24 a 28 de Janeiro

Relembrar para não esquecer

“Quem salva uma vida salva a Humanidade”

Aristides de Sousa Mendes

24 a 28 de Janeiro

Autora: Orlanda Rodrigues

No dia 27 de janeiro, “Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto”, relembramos a libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau.

A semana de 24 a 28 de janeiro, no nosso Agrupamento, foi preenchida por um conjunto de atividades de homenagem a todas as vítimas do Holocausto. No dia 27, assistimos à confluência dessas actividades criando um momento inesquecível.

O Holocausto e os seus horrores foram emocionalmente evocados através de várias manifestações artísticas que generosa e empenhadamente os nossos alunos nos ofereceram e que aqui enumeramos: audição de um jovem grupo musical, proporcionando um belo momento de interiorização com o tema do filmeSchindler’s List”; declamação de poemas e algumas citações de Anne Frank com a companhia de música de fundo (cordas); apresentação de uma bela e emocionante coreografia; exposição de cartazes e quadros da autoria dos alunos; oferta de flores pelos alunos; visionamento do filme “Uma Turma Difícil”, filme disponibilizado na plataforma online do PNC.

Manter viva a memória do Holocausto e defender os valores de liberdade, de igualdade, de respeito e de inclusão.



SABER +

Se isto é um Homem

Vós que viveis tranquilos
Nas vossas casas aquecidas,
Vós que encontrais regressando à noite
Comida quente e rostos amigos:
Considerai se isto é um homem
Quem trabalha na lama
Quem não conhece a paz
Quem luta por meio pão
Quem morre por um sim ou por um não.
Considerai se isto é uma mulher,
Sem cabelo e sem nome
Sem mais força para recordar
Vazios os olhos e frio o regaço
Como uma rã no Inverno.
Meditai que isto aconteceu:
Recomendo-vos estas palavras.
Esculpi-as no vosso coração
Estando em casa, andando pela rua,
Ao deitar-vos e ao levantar-vos;
Repeti-as aos vossos filhos.
Ou que desmorone a vossa casa,
Que a doença vos entrave,
Que os vossos filhos vos virem a cara.

in Se isto é um homem, de Primo Levi




Quando os nazis vieram buscar os comunistas,
eu fiquei em silêncio;
eu não era comunista.


Quando eles prenderam os sociais-democratas,
eu fiquei em silêncio;
eu não era um social-democrata.


Quando eles vieram buscar os sindicalistas,
eu não disse nada;
eu não era um sindicalista.


Quando eles vieram buscar os judeus
eu fiquei em silêncio;
eu não era um judeu.


Quando eles me vieram buscar,
já não havia ninguém que pudesse protestar.


Martin Niemöller

Campo de concentração


Teus olhos, aves que poisas
sobre as amarguras do mundo,
e que bebem até ao fundo das coisas
como se as coisas não tivessem fundo;
teus olhos, de asas bem abertas,
povoaram de voos o claustro do meu rosto,
e interrogaram as sombras, as sombras sempre despertas
deste sono pressuposto

Vai-te. Não interrogues nada que eu não sei dizer-te nada.
Isto, e isso, e aquilo, não é isso, não é aquilo nem isto.
Não é nada.
Ou talvez não seja nada.
Ou talvez só seja isto:
um pavor de madrugada,
um mal que se chama existo.



António Gedeão




Frases inspiradoras de Anne Frank


“Como é maravilhoso que ninguém precise esperar um minuto sequer antes de começar a melhorar o mundo”.


“Eu sei o que eu quero, eu tenho um objetivo, uma opinião, eu tenho uma religião e tenho amor. Deixe-me ser eu mesmo e então eu estou satisfeito. Eu sei que eu sou uma mulher, uma mulher com força interior e muita coragem”.


“Nós não estamos autorizados a ter opinião. As pessoas podem dizer-lhe para manter a boca fechada, mas não podem impedi-lo de ter a sua própria opinião. Mesmo que as pessoas ainda sejam muito jovens, elas não devem ser impedidas de dizer o que pensam”.


“É difícil em tempos como estes: ideais, sonhos e esperanças permanecerem dentro de nós, sendo esmagados pela dura realidade. É um milagre eu não ter abandonado todos os meus ideais, eles parecem tão absurdos e impraticáveis. No entanto, eu me apego a eles, porque eu ainda acredito, apesar de tudo, que as pessoas são realmente boas de coração”.


“O que é feito não pode ser desfeito, mas podemos prevenir que aconteça novamente”.


“Eu não penso sobre toda a miséria, mas sobre a beleza que ainda permanece”.


“Quem está feliz vai fazer os outros felizes também”.


Autora: Orlanda Rodrigues

Testemunho

Autora: Rita Paiva, 10.º C

Dia 27 de janeiro de 2022- Dia Internacional em memória das vítimas do Holocausto

O dia 27 de janeiro foi implementado através da Resolução 60/7 da Assembleia Geral das Nações Unidas, a 1 de novembro de 2005, com o intuito de homenagear todos os que morreram e as suas famílias, mas também para avivar a memoria de todos para que não permitem a ninguém o mesmo tipo de comportamentos.

No decorrer da semana de 24 a 28 de janeiro, o agrupamento de escolas de Seia organizou diversas atividades e com a ajuda dos seus alunos e professores elaborou vários projetos e trabalhos, para celebrar os setenta e sete anos de libertação de Auschwitz- Birkenau.

A comunidade escolar não quis deixar passar em branco este dia que tem como propósito não deixar cair no esquecimento o assassinato deliberado em massa, de seis milhões de judeus e muitos outros que os Nazis perseguiram.

Foi através de palestras, exposições, testemunhos e sessões online que aprofundámos o nosso conhecimento no tema e que fomos alertados para as atrocidades realizadas e para a importância de não dar espaço para que os mesmos tipos de acontecimentos voltem a acontecer.

A semana culminou numa cerimónia de homenagem a todos aqueles que de uma forma ou de outra sofreram os horrores da guerra e do genocídio.

Os alunos da escola Secundária de Seia que frequentam o Conservatório de Música de Seia presentearam-nos com um momento musical, executando a peça Schindler’s List Theme, que não deixou ninguém indiferente e emocionou todos. De seguida, alguns alunos do 10º declamaram poemas e leram pensamentos sobre a temática que tão bem retratavam o sofrimento e angústia de quem sofreu a força Nazi. Por último, os alunos do 11º E apresentaram uma coreografia marcante alusiva aos milhões de mortes, o que resultou da política extremista e de extermínio de Hitler. Foi de uma forma singela que todas as turmas da Escola Secundária, representadas pelo respetivo delegado deixaram uma flor no memorial para homenagear todos os que sofreram tal atrocidade.

Para terminar a cerimónia eu e o meu colega Duarte revelamos um pouco do que foi a nossa experiência num dos campos de concentração, Auschwitz, que visitámos no âmbito do programa Erasmus Plus da nossa escola. Todos os minutos e todas as palavras seriam insuficientes para descrever o que se sente ao entrar num sítio tao pesado quanto este, mas tentámos faze-lo da melhor maneira e sobretudo da maneira em que atingíssemos mais pessoas com a mensagem que queríamos passar.

O principal objetivo na realização deste evento foi de educar para a tolerância e a paz, bem como alertar para o combate ao antissemitismo e ao racismo. O ato de relembrar traz dignidade e justiça.


OS NOSSOS RECURSOS

1. Sugestão de histórias

Podes clicar no título "A HISTÓRIA DE ERIKA" de Ruth Vander Zee .


Podes clicar no título " Anne Frank, a menina que o mundo ouviu" de Linda Elovitz Marshal

CONSULTA O NOSSO PADLET


"LER+ SOBRE O HOLOCAUSTO"