Want to make creations as awesome as this one?

Agrupamento de Escolas Ibn Mucana

Transcript

MELHORAR O DESEMPENHO, PROMOVER O SUCESSO: APRENDER MAIS E APRENDER MELHOR

PROJETO EDUCATIVO 2021-24

"Pelo sonho é que vamos,comovidos e mudos.Chegamos? Não chegamos?Haja ou não haja frutos,pelo sonho é que vamos.(…)Chegamos? Não chegamos?– Partimos. Vamos. Somos. "

Sebastião da Gama

"Fazer com que todos os alunos aprendam sem deixar nenhum para trás” num contexto de grandes dilemas/reptos que se colocam à sociedade do século XXI e que obrigam a escola à mudança e à inovação no sentido de formar os jovens e de os tornar capazes de enfrentar esses desafios.

estrutura

1. CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO

Diagnóstico Organizacional

O território

concelho

freguesias

alcabideche

história

hiria

O concelho de Cascais, pertence ao distrito de Lisboa e localiza-se a cerca de 25 quilómetros a oeste da capital, é um dos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML). A AML é a mais populosa do país (NUTSIII), com 2 884 milhões de habitantes (2015) e a segunda região mais populosa (NUTII), a seguir à Região do Norte. Os municípios que compõem a AML estão agrupados em duas sub-regiões: Grande Lisboa (onde se inclui Cascais) e a Península de Setúbal.

O concelho de Cascais encontra-se atualmente dividido em 4 freguesias (Alcabideche, São Domingos de Rana, União das Freguesias de Cascais e Estoril e União das Freguesias de Carcavelos e Parede) ao invés das 6 que vigoravam até à alteração regulamentar decorrente do Decreto-lei nº 22/2012 de 30 de maio.Existe uma forte assimetria territorial no crescimento populacional mais recente: Alcabideche e São Domingos de Rana com maior aumento populacional que Carcavelos/ Parede e Cascais/Estoril. Há uma distribuição relativamente equilibrada da população pelas 4 freguesias, sendo que Cascais/ Estoril é a freguesia mais populosa (61.808 habitantes; 30% da população do concelho) e Alcabideche a menos populosa (42.162 habitantes), segundo dados do INE, censos 2011.Em termos económicos e, tendo em conta as características naturais do concelho, o turismo e os serviços são as principais atividades económicas. Ao turismo estão muito associados, o comércio e a indústria hoteleira.

Atualmente, Alcabideche é uma das quatro unidades administrativas do concelho de Cascais, localiza-se a Norte deste concelho, confrontando a Norte com a Serra de Sintra, a Oeste com o Oceano Atlântico, a Sul com a freguesia Cascais/Estoril e a Este com a freguesia de São Domingos de Rana, partilhando com a primeira a localidade – Alvide – e com a última 3 localidades – Atibá, Bairro da Martinha e Quinta do Patino.Das 36 localidades que a constituem são áreas de influência direta das escolas do Agrupamento as seguintes: Alcabideche, Alcoitão, Amoreira, Atrozela, Bairro da Cadeia do Linhó, Bairro da Cruz Vermelha, Cabreiro, Manique, Monte Estoril e Pai do Vento.Face a um posicionamento geográfico tão abrangente e multifacetado, esta freguesia apresenta um conjunto de fatores que a levam a constituir-se num cenário morfológico de alguma ambivalência.Neste contexto importa referir os seguintes aspetos:É a maior freguesia do concelho, em termos de área territorial (39,8 km²), registando, por conseguinte, uma maior dispersão das suas localidades, bem como a menor densidade populacional (1054 Habitantes / km², em 2011).Segundo os Censos 2011, a população residente era de 42 160 habitantes, mais 6 414 habitantes em relação aos censos de 2001.Alcabideche é uma das freguesias do concelho cuja percentagem de crianças e jovens até aos 19 anos na população total da freguesia é mais elevada: 22,3% (N = 9.418). Por cada 100 pessoas em idade ativa, a freguesia de Alcabideche tem 24,7 crianças e jovens até aos 15 anos (índice de dependência de jovens).Embora as tendências de envelhecimento populacional se verifiquem em todas as freguesias do concelho, Alcabideche regista contudo valores menos acentuados do que as freguesias costeiras: a idade média da população de Alcabideche (39,8 anos) é uma das mais baixas do concelho; o índice de envelhecimento em Alcabideche aumentou menos do que nas restantes freguesias entre 2001 e 2011, atingindo neste ano 94,6% (o que significa que, para cada 100 crianças até aos 15 anos, existiam 94,6 idosos, valor que a nível nacional, no mesmo ano, se situava em 127,8); 15,8% da população da freguesia de Alcabideche é composta por pessoas com 65 ou mais anos.Relativamente à população estrangeira,Alcabideche tinha um dos valores mais elevados de população estrangeira face ao total da população residente (8,7%), na sua maioria provenientes do Brasil (37%) e de países africanos (31%). Em 2011, 20% dos estrangeiros residentes em Alcabideche, eram crianças e jovens até aos 19 anos.A paisagem apresenta uma profunda descaracterização, coexistindo traços periurbanos (zonas anteriormente ruralizadas), com núcleos urbanos em grande expansão.Paralelamente, desenvolveram-se núcleos urbanos onde as questões da pobreza e da marginalização sociocultural são visíveis.Esta freguesia é afetada por indícios de interioridade e periferização em relação ao centro administrativo, contudo, as sinergias geradas quer, com o funcionamento do Hospital de Cascais Dr. José de Almeida, quer com a rede de acessibilidades emergentes, ligação do IC 30 à A5 e a variante de Manique, alteraram esta realidade, potenciando o seu crescimento económico-urbanístico.Alcabideche é uma freguesia caracterizada por intensos trânsitos, mais acentuados a partir da construção da autoestrada - A5, do hospital de Cascais e da criação de polos de “shopping” e serviços, polarizadores de interesses, de espaços de sociabilidade e de criação de emprego.É uma freguesia marcada pela multifuncionalidade, com o predomínio do setor terciário (emprega 73,6% da população ativa), emergindo novos polos de atração, como sejam os serviços, o armazenamento e ainda a distribuição. São as “Grandes Superfícies” da “Sociedade de Consumo”.Ao nível da educação formal (INE 2011) a freguesia revela baixos níveis de escolaridade. Em 2011, apenas 18% da população tinha o ensino superior completo, o valor mais baixo do concelho, mas ainda assim superior ao valor nacional (15%).A este fraco nível de instrução alia-se a fragilidade de equipamentos e recursos de qualidade a vários níveis: ambiental, desportivo, cultural, educativo e social.

No que respeita à origem da freguesia de Alcabideche os toponimistas defendem que a palavra Alcabideche deriva de “Alcabideque”, que significa “fonte de água”, “arca de água”.Segundo o Professor J. Diogo Correia, no seu livro Toponímia de Cascais, (1964) Alcabideche é “povoação muito antiga, decerto anterior à nacionalidade”, aparecendo ligada ao mundo árabe (séc. IX/XII) antes da reconquista cristã a ocidente de Lisboa.No período medieval a comunidade de Alcabideche afirmou uma individualidade muito própria, nomeadamente, através das influências islâmicas e da sua dinâmica rural, principal atividade económica desta freguesia até meados do séc. XX.“Alcabideche aparece ligada ao mundo árabe, enveredando numa noite há muito esquecida e distante.Dos Árabes, resta a raiz da atual palavra e a referência de um poeta aos moinhos do vento.É uma das terras mais antigas, sede de um território ainda menos conhecido. Essa comunidade ligada entre si desde os montes da Malveira à Várzea de Manique, abrigou sempre os mesmos homens, gentes do campo, dadas à agricultura e à pastorícia.Esta terra saloia não olha ao mar que só lhestrásperigos e males para as culturas. A serra, essa sim, uma mãe natureza, portadora de bens tão necessários, os pastos, as lenhas, a água. É aí também que se encontram os da banda de cá e os de lá, em honra de Nossa Senhora, lembrando o que têm em comum.Á sombra da matriz de S. Vicente, albergam-se os romeiros do Espírito Santo, os peregrinos de Nossa Senhora do Cabo, na sua posição de cabeça de freguesia, concorrendo todo o povo dos arredores.Resiste-se enquanto se pode às gentes que se acolhem, vindas de Lisboa. Esses procuram as caudas e depois as praias. E o veraneio nos Estoris, torna-se habitual. Então os serranos, os saloios, tornam-se fornecedores dos burgueses lisboetas, alimentando uma terra inculta, só sulcada de requintados chalés de gente perdida na azáfama do repouso da Riviera.Cada vez mais o campo se aproxima da cidade, rasgam-se as estradas que permitem a passagem de mensagens desconhecidas até então.Pouco falta para que as grandes avenidas que partemda linha férrea alcancem as extremas do concelho, uniformizando a paisagem e levando o sol, a beleza e a alegria de viver.Esperamos que estes textos deixem perceber a diferença, que se torna já escassa entre as povoações rurais e os aglomerados urbanos. Contamos que outros se queiram associar a esta difícil tarefa de descobrir e conservar uma memória tão importante das terras de Alcabideche.”João Cabral (Al – Qabdaq)

o AGRUPAMENTO

Clicar nas imagens para aceder ao Bilhete de Identidade de cada escola.

o AGRUPAMENTO

Memória do Agrupamento

Patrono do Agrupamento

Símbolos identificadores

Patrono do AgrupamentoDesignada Escola Secundária da Amoreira, por inicialmente estar prevista a sua construção nesta localidade da freguesia de Alcabideche, a Escola acabou por se situar na localidade de Alcabideche.A Direção dos Serviços dos Equipamentos Educativos solicitou, em novembro de 1988, à Comissão Instaladora que procedesse à escolha do patrono da escola, conforme o estipulado no D.L. n.º 93/86, de 10 de maio.Depois de se ter estudado a história local do concelho, particularmente, da freguesia de Alcabideche, de se ter consultado os professores da Escola e tendo presente a filosofia subjacente ao referido decreto, propôs-se à Câmara Municipal de Cascais (C.M.C.), em novembro de 1988, o nome de Ibn Mucana.A escolha fundamentou-se nos seguintes pressupostos:- Ibn Mucana foi um importante poeta de origem árabe que cantou os moinhos de vento, relevante património histórico-cultural local, elogiando a atividade económica fundamental de Alcabideche – a agricultura;- Ibn Mucana foi autóctone de Alcabideche;- Alcabideche está ligada à presença dos árabes na região a ocidente de Lisboa, antes da Reconquista Cristã desta área.Em janeiro de 1989, a C.M.C. felicitou a escola pela escolha. Face ao parecer positivo da autarquia indicou-se à Direção dos Serviços dos Equipamentos Educativos o nome de Ibn Mucana para Patrono da Escola.Pelo Despacho 100/SEAM/91, de 15 de outubro de 1991 a Escola Secundária da Amoreira passou a denominar-se de Escola Secundária Ibn Mucana.O Agrupamento manteve como Patrono,opoeta árabe, Ibn Mucana de origem berbere, que nasceu, viveu e morreu em Alcabideche (Al-Qabdãq), entre os séculos X e XI que na sua poesia exorta "O amor da liberdade é o sinal de um carácter nobre..."A divulgação e o maior e melhor conhecimento do Patrono da Escola, junto da Comunidade Escolar e da Comunidade onde a escola está inserida, têm sido um dos desafios dos órgãos de gestão, nomeadamente, através de manifestações de cunho artístico, desportivo ou outras que evocam a memória do Patrono.Os biógrafos árabes de Ibn Muqãna, são muito parcos em dados concretos sobre o poeta. O seu sobrenome, Muqãna, não parece árabe, possivelmente seria de origem muladi, quer dizer, que as suas origens seriam autóctones e os seus antepassados dos muitos que, na Península Ibérica, se converteram ao Islão e se arabizaram (moçárabes). Do seu aspeto físico também não se sabe nada, exceto que era surdo, como ele próprio disse nos seus poemas em duas ocasiões. Numa delas diz:"Ouvi a alcâncara que gritava na Primavera, apesar de ser surdo por natureza, verso no qual se destaca que a alcâncara era uma espécie de tambor conhecido com esse nome em língua portuguesa antiga e que se deve referir a alguma festa da Primavera celebrada em Alcabideche."

Símbolos identificadores:- a escola tem como cores oficiais o Verde, o Amarelo, o Vermelho e o Azul;- a bandeira da escola;- o Hino, a utilizar em atos oficiais.

Memória do AgrupamentoA Escola Secundária Ibn Mucana, sede do Agrupamento com o mesmo nome, foi criada pela portaria n.º 136/88, de 29 de fevereiro.A criação da escola inseriu-se no âmbito do Programa Especial de Execução de Escolas Preparatórias e Secundárias, criada pelo Decreto-Lei nº 76/80.Segundo o preâmbulo da portaria “a expansão do sistema educativo impõe um progressivo alargamento das estruturas físicas de acolhimento dos alunos”. Havia a necessidade de introduzir no parque escolar novos equipamentos que permitiriam uma gestão mais equilibrada e uma melhor distribuição e alojamento dos alunos.Neste contexto, a criação da escola resultou da necessidade de descongestionar as escolas do litoral do concelho de Cascais, nomeadamente as Escolas Secundária de S. João do Estoril, Cascais e Alvide, da pressão da população escolar resultante do crescimento urbanístico do interior do concelho e especificamente da freguesia de Alcabideche.Inicialmente, a localização da construção da nova escola foi prevista na Amoreira, nome com que a escola aparece nos documentos oficiais e pelo qual ficou conhecida durante muito tempo – Escola Secundária da Amoreira.Dificuldades na expropriação dos terrenos para a construção prevista na Amoreira, levaram a Câmara Municipal de Cascais a disponibilizar, à Direção Regional de Lisboa, terrenos em Alcabideche, local onde ficou definitivamente situada a Escola Secundária da Amoreira.Pelo Despacho 100/SEAM/91, de 15 de outubro de 1991 a Escola Secundária da Amoreira passou a denominar-se Escola Secundária Ibn Mucana.O Agrupamento Vertical de Escolas Ibn Mucana, com sede na Escola Secundária do mesmo nome, constituiu-se no ano letivo de 2010/11, em 1 de julho de 2010, por Despacho do Secretário de Estado da Educação, na sequência da agregação com o Agrupamento de Escolas João de Deus, abrangendo todos os níveis de ensino desde a educação pré-escolar até ao 12º ano de escolaridade, passando a integrar cinco unidades orgânicas, a saber: a Escola Básica Fernando José dos Santos, a Escola Básica Fernando Teixeira Lopes, a Escola Básica Fausto Cardoso Figueiredo, a Escola Básica Raúl Lino e a Escola Secundária Ibn Mucana.Em agosto de 2019, no âmbito da reestruturação da rede escolar da freguesia de Alcabideche foi agregado ao Agrupamento, a Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Alcabideche.

Clicar nas imagens.

oFERTA FORMATIVA

A oferta educativa/formativa é um fator de diferenciação estratégica determinante para o Agrupamento de Escolas Ibn Mucana.As prioridades para a definição da oferta educativa/formativa incidem na múltipla perspetiva das competências e valências dos alunos, das necessidades e expetativas do meio/comunidade onde está inserida e das oportunidades estratégicas de empregabilidade.A estruturação da oferta formativa de acordo com as necessidades identificadas e estratégia de gestão são essenciais para a afirmação da especificidade e virtualidades do Agrupamento na concretização da sua missão.

A COMUNIDADE EDUCATIVA

Alunos

Nº de turmas por ciclo/ ano de escolaridade (2020/21)Distribuição de alunos por ano de escolaridade (2020/21)Nº de alunos por género / ciclo de ensinoPercentagem de alunos abrangidos pelo decreto-Lei nº 54/2018, por escalãoda Ação Social Escolar, por nacionalidade estrangeira e por língua maternaALUNOS%N.S. E8,51%Escalão - A19,2%Escalão - B14,4%Nacionalidade Estrangeira11,65%Alunos Estrangeiros cuja Língua materna não é Português0,73%Alunos Estrangeiros cuja Língua materna é Português10,92%

PessoalDocente

Distribuição de professores por categoria profissional

Pessoal não docente

Distribuição do pessoal não docente por categoria profissional

Pais e Encarregados de Educação

Percentagem aproximada de famílias de alunos que se encontra em cada um dos seguintes níveis de habilitações (%):

Nº de turmas por ciclo/ ano de escolaridade (2020/21)Distribuição de alunos por ano de escolaridade (2020/21)Nº de alunos por género / ciclo de ensinoPercentagem de alunos abrangidos pelo decreto-Lei nº 54/2018, por escalãoda Ação Social Escolar, por nacionalidade estrangeira e por língua maternaALUNOS%N.S. E8,51%Escalão - A19,2%Escalão - B14,4%Nacionalidade Estrangeira11,65%Alunos Estrangeiros cuja Língua materna não é Português0,73%Alunos Estrangeiros cuja Língua materna é Português10,92%

Distribuição de professores por categoria profissional

Distribuição do pessoal não docente por categoria profissional

Percentagem aproximada de famílias de alunos que se encontra em cada um dos seguintes níveis de habilitações (%):

PROJETOS “ÂNCORA” ESTRUTURANTES

A cultura de Projeto tem sido uma das marcas distintivas do Agrupamento, desenvolvendo-se em cinco áreas.

Orientação para a formação integral e para o sucesso educativo

Integração e organização da rede de parceiros na estratégia do Agrupamento

Coordenação e integração pedagógica das parcerias

Trabalho colaborativo em rede

parcerias

PRINCÍPIOS

O Agrupamento de Escolas Ibn Mucana estabelece um conjunto de ligações e interações institucionais com parceiros nacionais e internacionais (Stakeholders) com quem vem desenvolvendo ações/atividades em diferentes graus de envolvimento e formalização. Esta cultura de parceria é um ponto forte da cultura institucional do Agrupamento que convém reforçar e consolidar no Projeto Educativo, potenciando uma escola em rede aberta à comunidade local, nacional e/ou a outras geografias, dando visibilidade às práticas e às atividades desenvolvidas.Para tal é fundamental gerar eficiência na rede de recurso e parceiros coordenando as suas propostas, gerando novos projetos focados na estratégia do Agrupamento e criando as interações colaborativas e de decisão partilhada que possam sustentar uma autêntica rede de parceiros para o sucesso educativo e o desenvolvimento integral da comunidade escolar do Agrupamento.

A colaboração em projetos e iniciativas de múltiplas características em várias vertentes educativas: cidadania, saúde, processo de aprendizagem, comportamentos de risco, integração social e profissional, capacitação artística, literacia ambiental e outras, para as quais o Agrupamento é convidado, participa ou promove devendo estar focalizadas na formação integral e no sucesso educativo dos alunos, funcionando como recurso para as estratégias curriculares ou pedagógicas definidas no Agrupamento.

Os parceiros devem ser encarados como um recurso estratégico na criação de condições e oportunidades de otimização para a formação integral e do sucesso educativo. As ligações de parceria que estão estabelecidas ou que o venham a ser, serão alvo de um processo de organização, de vinculação e estruturação numa rede de trabalho em cooperação, colaboração e informação partilhada. O Agrupamento deverá criar os canais de articulação institucional dessa rede, integrando-a nos vários níveis de decisão e planeamento das estratégias de sucesso educativo.

A rede de parceiros e os respetivos recursos deverão ser perspetivados como ferramenta de enriquecimento das aprendizagens e desenvolvimento de competências em contexto real ou em ambiente diferenciado. A análise das propostas e projetos a desenvolver no âmbito das parcerias deverá equacionar o seu contributo pedagógico enquadrado no trabalho curricular do Agrupamento.

A colaboração a estabelecer com entidades externas deverá assentar no trabalho colaborativo em rede que implica a comunicação, avaliação e planeamento de resultados, decisão partilhada e níveis de integração institucional.Com base nos princípios orientadores enunciados estabeleceram-se parcerias chaves (Stakeholders), no desenvolvimento do trabalho em rede com o AEIM na consecução da sua missão, das quais se destacam.

parcerias

Câmara Municipal de Cascais

Programa /ProjetoÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Escola iNOVA20@25Pedagógica e CapacitaçãoH-MPrograma Crescer a Tempo InteiroEnriquecimento CurricularH-M-FPlataforma Saúde na EscolaSaúde e CapacitaçãoH-M-FEntre NósSocial e comunitárioH-FCidades Amigas das CriançasCidadania, Bem Estar e capacitaçãoH-MA Voz dos JovensCidadania e CapacitaçãoH-MCascais Participa - OP Jovem e VoluntariadoCidadania, Capacitação e VoluntariadoH-MCascais AmbienteAmbiente e CapacitaçãoH-MDesporto na EscolaDesportoH-M-FHabitatDigitalCapacitaçãoH-MCurso Profissional de Técnico de Gestão de TransportesConsultadoriaM-F * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição / Entidade Comunitária

Instituição / Entidade ComunitáriaEntidade NaturezaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Rede Solidária Ibn MucanaIPSSCidadania e SocialH-M-FJunta de Freguesia de AlcabidechePúblicaCidadania e socio-emocionalH-MJunta de Freguesia de Cascais -EstorilPúblicaCidadania e socio-emocionalH-MAmnistia InternacionalONGCidadaniaH-MAssociação São Francisco de AssisPrivadaVoluntariado, bem-estar animal.HBombeiros Voluntários de AlcabidechePrivadaCidadania e capacitaçãoHCasa das Histórias Paula RegoPrivadaPedagógica e capacitaçãoH-MCentro de Formação de Professores de CascaisPúblicaCapacitaçãoH-MCentro de Saúde de AlcabidechePúblicaSaúde e bem-estarH-MCPCJC (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Cascais)PúblicaSegurança e bem-estarHCRID Cascais (Centro de Reabilitação e Integração de Deficientes)IPSSPedagógica, capacitação e social.H-MEscola Superior de Hotelaria e Turismo do EstorilPúblicaCapacitaçãoHGNR “Escola Segura”PúblicaSegurança e capacitaçãoHMinistério da Justiça (Estabelecimento Prisional do Linhó)PúblicaPedagógica e formativa.HCentro de Medicina e de Reabilitação de AlcoitãoPúblicaCapacitaçãoHMuseu de Música Portuguesa-Casa Museu Verdades FariaPúblicaPedagógica e capacitaçãoH-MProteção CivilPúblicaPedagógica e CívicaH-MPSP – Estoril “Escola Segura”PúblicaSegurançaHRota JovemAssociaçãoSocial e comunitárioHSanta Casa da Misericórdia de CascaisIPSSSocial e comunitárioH * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição/Projetos

Instituição/ProjetosÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*ABAE - Eco-escolasAmbiente, capacitação e cidadania.H-MAPAVCidadaniaHAssociação “Sailors for de Sea”Pedagógica e AmbientalH-MAriscoSocio-emocionalH-MAssociação HELPOSocial e comunitárioH-MAssociação PrevenirComportamental e socio-emocional.H-MCompanhia de Teatro – Ar de Filmes e Arte d’Encantar.PedagógicaH-MErasmus + (Agência Nacional Erasmus)Capacitação e social.M-FFator C – programa de desenvolvimento local com bases comunitáriasPedagógicaM-FFórum dos CidadãosCapacitação e cidadaniaHFundação “Make a wish” – PortugalCidadania e SolidariedadeH-MFundação Portuguesa de CardiologiaSaúde e bem-estar.H-MFundação SalvadorCidadania e SolidariedadeHIPAV (Academia de Líderes Ubuntu)Pedagógica, socio-emocional e capacitaçãoH-MMARE – Centro de Ciências do Mar e do AmbientePedagógica e ambientalH-MMinistério da Educação - Ciência VivaPedagógica e capacitaçãoH-M-FMinistério da Educação - Plano Nacional das Artes – Programa Cultural das ArtesPedagógica e capacitaçãoH-MMinistério da Educação - Rede de Bibliotecas EscolaresPedagógica e capacitaçãoH-MMinistério da Educação - Rede de Escolas MagalhânicasPedagógicaH-MOceanário de LisboaPedagógica e ambientalH-MProjeto SerPedagógico e socialHReset & Be YouBem-estarH-MSemear Valores On-Air (Semear Valores)Socio-emocional, cidadania e bem-estarH-M * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição/ Formação em Contexto de Trabalho

Instituição/ Formação em Contexto de TrabalhoEntidade NaturezaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Associação Palco da Tua ArtePrivadaFormaçãoH-MCascais Padel AcademyClubeFormaçãoH-MFederação Portuguesa de SurfAssociaçãoFormaçãoH-MGrupo Desportivo Estoril PraiaClubeFormaçãoH-MGrupo Desportivo e RecreativoClubeFormaçãoH-MGrupo Dramático e Sportivo de CascaisClubeFormaçãoH-MHolmes Place – Beloura, Cascais, Quinta da MarinhaPrivadaFormaçãoH-MProjeto ATL - AdroanaPúblicaFormaçãoH-MAPAV – Projeto SERPrivadaFormaçãoH-MSalesianos EstorilPrivadaFormaçãoH-MVoley4AllClubeFormaçãoH-MFernavePrivadoFormaçãoHFundação D. Luís IPrivadaFormaçãoH-MCMC – Divisão de Arquivos, Bibliotecas e Património HistóricoPúblicaFormaçãoH-M * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição académica

Instituição AcadémicaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos *Universidade Nova (FCSH)Pedagógica e capacitaçãoHUniversidade Católica de LisboaPedagógica e capacitaçãoH-MUniversidade de Lisboa (Faculdade de Letras)Pedagógica e capacitaçãoH * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição AcadémicaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos *Universidade Nova (FCSH)Pedagógica e capacitaçãoHUniversidade Católica de LisboaPedagógica e capacitaçãoH-MUniversidade de Lisboa (Faculdade de Letras)Pedagógica e capacitaçãoH * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Programa /ProjetoÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Escola iNOVA20@25Pedagógica e CapacitaçãoH-MPrograma Crescer a Tempo InteiroEnriquecimento CurricularH-M-FPlataforma Saúde na EscolaSaúde e CapacitaçãoH-M-FEntre NósSocial e comunitárioH-FCidades Amigas das CriançasCidadania, Bem Estar e capacitaçãoH-MA Voz dos JovensCidadania e CapacitaçãoH-MCascais Participa - OP Jovem e VoluntariadoCidadania, Capacitação e VoluntariadoH-MCascais AmbienteAmbiente e CapacitaçãoH-MDesporto na EscolaDesportoH-M-FHabitatDigitalCapacitaçãoH-MCurso Profissional de Técnico de Gestão de TransportesConsultadoriaM-F * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição/ProjetosÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*ABAE - Eco-escolasAmbiente, capacitação e cidadania.H-MAPAVCidadaniaHAssociação “Sailors for de Sea”Pedagógica e AmbientalH-MAriscoSocio-emocionalH-MAssociação HELPOSocial e comunitárioH-MAssociação PrevenirComportamental e socio-emocional.H-MCompanhia de Teatro – Ar de Filmes e Arte d’Encantar.PedagógicaH-MErasmus + (Agência Nacional Erasmus)Capacitação e social.M-FFator C – programa de desenvolvimento local com bases comunitáriasPedagógicaM-FFórum dos CidadãosCapacitação e cidadaniaHFundação “Make a wish” – PortugalCidadania e SolidariedadeH-MFundação Portuguesa de CardiologiaSaúde e bem-estar.H-MFundação SalvadorCidadania e SolidariedadeHIPAV (Academia de Líderes Ubuntu)Pedagógica, socio-emocional e capacitaçãoH-MMARE – Centro de Ciências do Mar e do AmbientePedagógica e ambientalH-MMinistério da Educação - Ciência VivaPedagógica e capacitaçãoH-M-FMinistério da Educação - Plano Nacional das Artes – Programa Cultural das ArtesPedagógica e capacitaçãoH-MMinistério da Educação - Rede de Bibliotecas EscolaresPedagógica e capacitaçãoH-MMinistério da Educação - Rede de Escolas MagalhânicasPedagógicaH-MOceanário de LisboaPedagógica e ambientalH-MProjeto SerPedagógico e socialHReset & Be YouBem-estarH-MSemear Valores On-Air (Semear Valores)Socio-emocional, cidadania e bem-estarH-M * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição / Entidade ComunitáriaEntidade NaturezaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Associação de Pais EBSIMIPSSCidadania e SocialH-M-FJunta de Freguesia de AlcabidechePúblicaCidadania e socio-emocionalH-MJunta de Freguesia de Cascais -EstorilPúblicaCidadania e socio-emocionalH-MAmnistia InternacionalONGCidadaniaH-MAssociação São Francisco de AssisPrivadaVoluntariado, bem-estar animal.HBombeiros Voluntários de AlcabidechePúblicaCidadania e capacitaçãoHCasa das Histórias Paula RegoPrivadaPedagógica e capacitaçãoH-MCentro de Formação de Professores de CascaisPúblicaCapacitaçãoH-MCentro de Saúde de AlcabidechePúblicaSaúde e bem-estarH-MCPCJC (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Cascais)PúblicaSegurança e bem-estarHCRID Cascais (Centro de Reabilitação e Integração de Deficientes)IPSSPedagógica, capacitação e social.H-MEscola Superior de Hotelaria e Turismo do EstorilPúblicaCapacitaçãoHGNR “Escola Segura”PúblicaSegurança e capacitaçãoHMinistério da Justiça (Estabelecimento Prisional do Linhó)PúblicaPedagógica e formativa.HCentro de Medicina e de Reabilitação de AlcoitãoPúblicaCapacitaçãoHMuseu de Música Portuguesa-Casa Museu Verdades FariaPrivadaPedagógica e capacitaçãoH-MProteção CivilPúblicaPedagógica e CívicaH-MPSP – Estoril “Escola Segura”PúblicaSegurançaHRota JovemAssociaçãoSocial e comunitárioHSanta Casa da Misericórdia de AlcabidecheIPSSSocial e comunitárioH * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

Instituição/ Formação em Contexto de TrabalhoEntidade NaturezaÁrea de IntervençãoTipo de Recursos*Associação Palco da Tua ArtePrivadaFormaçãoH-MCascais Padel AcademyClubeFormaçãoH-MFederação Portuguesa de SurfAssociaçãoFormaçãoH-MGrupo Desportivo Estoril PraiaClubeFormaçãoH-MGrupo Desportivo e RecreativoClubeFormaçãoH-MGrupo Dramático e Sportivo de CascaisClubeFormaçãoH-MHolmes Place – Beloura, Cascais, Quinta da MarinhaPrivadaFormaçãoH-MProjeto ATL - AdroanaPúblicaFormaçãoH-MAPAV – Projeto SERPrivadaFormaçãoH-MSalesianos EstorilPrivadaFormaçãoH-MVoley4AllClubeFormaçãoH-MFernavePrivadoFormaçãoHFundação D. Luís IPrivadaFormaçãoH-MCMC – Divisão de Arquivos, Bibliotecas e Património HistóricoPúblicaFormaçãoH-M * H – Humanos M – Materiais F - Financeiros

ANÁLISE SWOT

PONTOSFORTES

Pontos fortes:- Lideranças intermédias fortes e assertivas.- Explicitação clara por parte da Direção das linhas orientadoras da política e estratégia do AEIM.- Elaboração do PAAA em função do PE.- Inclusão no PAAA de um conjunto coerente e viável de atividades de enriquecimento e complemento curricular.- Formulação coerente, clara e objetiva do planeamento das estratégias da atividade educativa constante do Projeto Educativo do Agrupamento, do Projeto Curricular do Agrupamento e do Plano Anual de Atividades.-Pertinência da qualidade dos Projetos implementados.- Valorização da Educação para a Cidadania- Diversidade de projetos que proporcionam situações estimulantes das aprendizagens dos alunos.- Prática instituída de trabalho em parceria entre as escolas do AEIM.- Boa imagem do AEIM na comunidade em que está inserida.- Confiança dos pais e alunos no serviço educativo prestado pelo Agrupamento.- Práticas de inclusão- Valorização da Equipa EMAEI- Dinâmica/eficácia dos serviços especializados de apoio educativo na referenciação/encaminhamento e acompanhamento dos alunos com NE.- Boa relação pedagógica e afetiva professor/aluno;- Apoio socioeconómico a alunos mais carenciados- Cuidado pelo bem-estar e segurança da comunidade escolar- Definição pela Direção de critérios específicos para distribuição do serviço docente tendo em conta um melhor desempenho.- Apoio por parte da Direção a todos os que têm iniciativas de inovação e melhoria.- Preocupação com a satisfação do utente.- Cooperação sistemática e contínua com as diversas instituições e organismos da comunidade (Associações de Pais, Juntas de Freguesia, Câmara Municipal e outras…).- Rede de parcerias com a comunidade- Valorização das Equipas Educativas- Dinâmica da Direção de Turma e do Conselho de Diretores de Turma.- Interfaces personalizados da escola (Serviços Administrativos e Diretores de Turma)- Boa gestão dos espaços e dos recursos humanos do AEIM, por parte da Direção.- Operacionalização do Programa de Orientação e Informação Vocacional.- Interação na comunidade escolar dos mediadores sociais.- Reflexão sistemática do Conselho Pedagógico e da Direção sobre os resultados escolares, tendo em vista a melhoria do desempenho dos alunos.- Plano Digital- Plano de Formação do AEIM- Desenvolvimento/implementação sistemática e coerente de processos de autoavaliação, por parte do Agrupamento, para melhorar os seus desempenhos.

ÁREAS DEMELHORIA

Áreas de melhoria:- Reconhecimento pelos atores escolares da Missão, Visão e Valores do AEIM, revendo-se nos mesmos.- Interiorização por parte da comunidade escolar do Perfil dos Alunos para o século XXI.-Coordenação e Supervisão das Estruturas de Orientação Educativa.- Articulação entre as várias áreas curriculares, em sede de departamentos curriculares.- Coordenação e supervisão, por parte do Conselho Pedagógico, da realização das atividades de animação socioeducativa- Eficácia dos planos de comunicação, desenvolvidos pelo AEIM, com a comunidade educativa-Circulação da informação entre a Direção e os seus colaboradores.-Clima e ambiente de trabalho proporcionado pelo AEIM.-Responsabilização dos alunos para os seus deveres cívicos.- Maior envolvimento, acompanhamento e apoio na ação dos docentes pelos Pais/Encarregados de Educação- Participação dos pais e encarregados de educação nas atividades do AEIM.- Qualidade de alguns espaços físicos da escola sede (necessitando de requalificação).- Conservação, preservação e manutenção dos espaços e instalações em estado de higiene e segurança, em particular na escola-sede.- Promoção e incentivo do pessoal não docente para frequentar ações de formação, estimulando-o a práticas de desempenho inovadoras.- Reconhecimento do esforço e do sucesso do pessoal não docente como forma de incentivar o seu envolvimento e responsabilidade.- Maior visibilidade e intervenção na vida do Agrupamento por parte da Associação de Estudantes.- Bibliotecas Escolares como estrutura pedagógica integrada no processo educativo ao serviço de toda a comunidade que orienta a sua ação para o desenvolvimento do currículo.- Processo de autoavaliação consistente, sistemático e abrangente.

FATORESCRÍTICOS DE SUCESSO

Fatores críticos de sucesso ( condições necessárias e suficientes para que os objetivos sejam atingidos):- Empenho e motivação da maioria de docentes- Plano de Inovação Pedagógica- Associações de Pais e Encarregados de Educação empenhadas e interventivas.- Equipa multidisciplinar - “Segurança e Bem Estar”- Projeto de Mentoria- Plano de Tutorias- Parcerias e protocolos com diversas instituições e entidades com impacto na valorização das aprendizagens.- Reconhecimento público do trabalho desenvolvido.

CONSTRAN-GIMENTOS

Constrangimentos (condições que podem influenciar negativamente a concretização dos objetivos):- Disponibilidade insuficiente de equipamentos informáticos ligados em rede com acesso à internet.- Instabilidade e insuficiência na colocação de docentes.- Envelhecimento da classe docente.- Instabilidade e rotatividade na colocação do pessoal não docente - assistentes operacionais.- Precariedade ao nível sociocultural e económico.- Falta de acompanhamento de algumas franjas de Pais/Encarregados de Educação na vida escolar dos seus educandos.- Baixas expectativas de algumas franjas de Pais/Encarregados de Educação em relação à Escola e à necessidade de valorização académica e cultural.- Requalificação do edifício da escola sede.

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

Pontos fortes:- Lideranças intermédias fortes e assertivas.- Explicitação clara por parte da Direção das linhas orientadoras da política e estratégia do AEIM.- Elaboração do PAAA em função do PE.- Inclusão no PAAA de um conjunto coerente e viável de atividades de enriquecimento e complemento curricular.- Formulação coerente, clara e objetiva do planeamento das estratégias da atividade educativa constante do Projeto Educativo do Agrupamento, do Projeto Curricular do Agrupamento e do Plano Anual de Atividades.-Pertinência da qualidade dos Projetos implementados.- Valorização da Educação para a Cidadania- Diversidade de projetos que proporcionam situações estimulantes das aprendizagens dos alunos.- Prática instituída de trabalho em parceria entre as escolas do AEIM.- Boa imagem do AEIM na comunidade em que está inserida.- Confiança dos pais e alunos no serviço educativo prestado pelo Agrupamento.- Práticas de inclusão- Valorização da Equipa EMAEI- Dinâmica/eficácia dos serviços especializados de apoio educativo na referenciação/encaminhamento e acompanhamento dos alunos com NE.- Boa relação pedagógica e afetiva professor/aluno;- Apoio socioeconómico a alunos mais carenciados- Cuidado pelo bem-estar e segurança da comunidade escolar- Definição pela Direção de critérios específicos para distribuição do serviço docente tendo em conta um melhor desempenho.- Apoio por parte da Direção a todos os que têm iniciativas de inovação e melhoria.- Preocupação com a satisfação do utente.- Cooperação sistemática e contínua com as diversas instituições e organismos da comunidade (Associações de Pais, Juntas de Freguesia, Câmara Municipal e outras…).- Rede de parcerias com a comunidade- Valorização das Equipas Educativas- Dinâmica da Direção de Turma e do Conselho de Diretores de Turma.- Interfaces personalizados da escola (Serviços Administrativos e Diretores de Turma)- Boa gestão dos espaços e dos recursos humanos do AEIM, por parte da Direção.- Operacionalização do Programa de Orientação e Informação Vocacional.- Interação na comunidade escolar dos mediadores sociais.- Reflexão sistemática do Conselho Pedagógico e da Direção sobre os resultados escolares, tendo em vista a melhoria do desempenho dos alunos.- Plano Digital- Plano de Formação do AEIM- Desenvolvimento/implementação sistemática e coerente de processos de autoavaliação, por parte do Agrupamento, para melhorar os seus desempenhos.

Áreas de melhoria:- Reconhecimento pelos atores escolares da Missão, Visão e Valores do AEIM, revendo-se nos mesmos.- Interiorização por parte da comunidade escolar do Perfil dos Alunos para o século XXI.-Coordenação e Supervisão das Estruturas de Orientação Educativa.- Articulação entre as várias áreas curriculares, em sede de departamentos curriculares.- Coordenação e supervisão, por parte do Conselho Pedagógico, da realização das atividades de animação socioeducativa- Eficácia dos planos de comunicação, desenvolvidos pelo AEIM, com a comunidade educativa-Circulação da informação entre a Direção e os seus colaboradores.-Clima e ambiente de trabalho proporcionado pelo AEIM.-Responsabilização dos alunos para os seus deveres cívicos.- Maior envolvimento, acompanhamento e apoio na ação dos docentes pelos Pais/Encarregados de Educação- Participação dos pais e encarregados de educação nas atividades do AEIM.- Qualidade de alguns espaços físicos da escola sede (necessitando de requalificação).- Conservação, preservação e manutenção dos espaços e instalações em estado de higiene e segurança, em particular na escola-sede.- Promoção e incentivo do pessoal não docente para frequentar ações de formação, estimulando-o a práticas de desempenho inovadoras.- Reconhecimento do esforço e do sucesso do pessoal não docente como forma de incentivar o seu envolvimento e responsabilidade.- Maior visibilidade e intervenção na vida do Agrupamento por parte da Associação de Estudantes.- Bibliotecas Escolares como estrutura pedagógica integrada no processo educativo ao serviço de toda a comunidade que orienta a sua ação para o desenvolvimento do currículo.- Processo de autoavaliação consistente, sistemático e abrangente.

Fatores críticos de sucesso ( condições necessárias e suficientes para que os objetivos sejam atingidos):- Empenho e motivação da maioria de docentes- Plano de Inovação Pedagógica-Associações de Pais e Encarregados de Educação empenhadas e interventivas.- Equipa multidisciplinar - “Segurança e Bem Estar”- Projeto de Mentoria- Plano de Tutorias- Parcerias e protocolos com diversas instituições e entidades com impacto na valorização das aprendizagens.- Reconhecimento público do trabalho desenvolvido.

Constrangimentos (condições que podem influenciar negativamente a concretização dos objetivos):- Disponibilidade de equipamentos informáticos ligados em rede com acesso à internet.- Insuficiência e rotatividade do pessoal não docente-assistentes operacionais-Precariedade ao nível sociocultural e económico.- Falta de acompanhamento da maior parte dos educandos por parte dos Pais/Encarregados de Educação.- Baixas expetativas dos Pais/Encarregados de Educação em relação à Escola e à necessidade de valorização académica e cultural.- Requalificação do edifício da escola sede.

ANÁLISE PEST

FATORES

POLÍTICOS

AMBIENTAIS

SOCIAIS

TECNOLÓGICOS

ECONÓMICOS

LEGAIS

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

A análise PEST é um método que permite o estudo qualitativo de um determinado cenário com base em fatores políticos (P), económicos (E), sociais (S) e tecnológicos (T). A análise destas dimensões, dificilmente quantificáveis, possibilita a compreensão de ambientes complexos e em permanente mudança. Neste caso particular, interessa ter em conta todos esses fatores macro ambientais que contribuirão para uma melhor gestão do AEIM.

FatoresRelevânciaImpactosPolíticos Autonomia entre poderes (políticas públicas e municipais e escola)Estabilidade política (local e nacional)Importância política da educação (nacional e local)Gestão partilhada de recursos (humanos, económicos …), nomeadamente ao nível do cumprimento da matriz de responsabilidadesPlanos estratégicos a desenvolver em conjunto (escola-poder político local e nacional)+/-+-++

FatoresRelevânciaImpactosAmbientaisProcedimentos de reciclagemProjetos Ambientais Internos, concelhios, nacionais e internacionaisValorização comunitária dos esforços ambientaisPegada de carbonoSustentabilidade+++-+/-

FatoresRelevânciaImpactosSociaisApoio escolar aos alunos através da IPSS Ibn MucanaNível formação de pais/EE (especialmente mães)Indicadores sociais concelhios (desenvolvimento dos movimentos associativos, IPSS, demografia, espaços de fruição coletiva, equipamento sociais e culturais, etc.) – IPSS na Escola (freguesia com forte movimento associativo, comparativamente às freguesias mais litorais) relevanteConfiança na gestão da crise pandémicaImportância da escola na sociedade+++++

FatoresRelevânciaImpactosTecnológicosObsolescência do parque informático escolarDisponibilidade central e local de plataformas de comunicação e gestão da informaçãoTendência tecnológica da comunidadePortabilidade tecnológica da comunidade escolar (alunos, pais/EE, docentes) – se tem bons equipamentos (smartphones, tablets, notebooks, etc.)Rede de disponibilidade de acesso à internet-+/-++/--

FatoresRelevânciaImpactosEconómicosEscalões de apoio (distribuição no universo da escola: 33% em escalões A e B)Orçamento, disponível ao longo dos anos, limitado e financeiramente proveniente da rentabilização dos projetos em que o Agrupamento participaIndicadores económicos do concelho (rendimento das famílias, desemprego, etc.)Crise económica emergente (afetando o Turismo e atividades adjacentes e levando ao acréscimo do trabalho precário e não-qualificado)Desenvolvimento económico local (dependente, em grande parte, da resposta do setor turístico)+++/--+/-

FatoresRelevânciaImpactosLegaisGrau de atenção interna às alterações legais (nomeadamente nas dificuldades em termos de recursos humanos e temporais)Capacidade de resposta às necessidades legaisRegulamentos e leis sobre gestão de pessoas (SAD)Preveem-se mudanças legais com impacto na gestão diária do AgrupamentoPrazo provável das mudanças legislativas propostasOutros fatores legais que poderão ser alvo de mudança, nomeadamente ao nível da Organização do Ano Letivo pela criação dos planos A, B e C… e Z – tomada de decisão no funcionamento e organização da escola, projeto curricular da escola e na promoção do desenvolvimento integral do aluno-+++++/-

RESULTADOS ESCOLARES

Avaliação interna

Taxa de aprovação do 4º ano de escolaridadeno triénio 2017-2020Taxa de aprovação do 6º ano de escolaridadeno triénio 2017-2020 Alunos transitados/aprovados no triénio 2017-2020 Sucesso pleno no triénio 2017-2020(% de alunos sem níveis inferiores a 3 e a 10 valores)Quadro de Valor e Excelência no triénio 2017-2020

Avaliação externa

Avaliação externa 9º ano no triénio 2017-2020Avaliação externa 12º ano no triénio 2017-2020

Conclusão sem retenções

Percentagem de alunos que concluíram o 1º ciclo em 4 anosPercentagem de alunos queconcluíramo 2º ciclo em 2 anosPercentagem de alunos que concluíram o 3º ciclo em 3 anosPercentagem de alunos que obtiveram positiva nos exames nacionais do 12ºano após um percurso sem retenções no 10º e no 11º anos

Ingresso no Ensino Superior

Ingresso no Ensino Superior no triénio 2017-2020

Os resultados académicos que, de seguida, se apresentam resultam de um processo de monitorização, análise e reflexão sobre os mesmos, prática há muito implementada no Agrupamento. A análise e reflexão são feitas pelos órgãos de gestão e pelas estruturas de coordenação pedagógica.Os quadros apresentados referem-se à monitorização da avaliação interna e externa nos três últimos anos letivos.

ORGANOGRAMA

2. PROJETO DE INTERVENÇÃO ESTRATÉGICA

Áreas de implementação

PLANO DE INTERVENÇÃO ESTRATÉGICA

missão

visão

princípios

valores

lema

A definição e clarificação dos pressupostos estratégicos do Agrupamento são pilares fundamentais para a tomada das decisões no âmbito das opções gestionárias e organizacionais. Permitem-lhe definir o horizonte, os princípios orientadores e as linhas de ação estratégica que irão pautar as prioridades do Agrupamento de Escolas Ibn Mucana (AEIM) no triénio 2021-2024.Para responder às fragilidades identificadas, são delineados os desafios organizacionais, os eixos de intervenção e os objetivos estratégicos, a partir dos quais se deverá desenrolar a ação do AEIM e, com eles, os objetivos operacionais, as ações a desenvolver, os indicadores de impacto, as metas a atingir e o cronograma de execução, tendo subjacente o projetar do futuro a partir da reflexão, do desafio e da exigência do presente do Agrupamento.

O Agrupamento de Escolas Ibn Mucana tem como missão, proporcionar uma educação de qualidade, justa e solidária, que respeite as diferenças, a inclusão e a equidade, promova a igualdade de oportunidades, potencie e sustente o sucesso integral/holístico das crianças e dos jovens. Privilegiar a centralidade do aluno no desenvolvimento de aprendizagens significativas, de competências, na aquisição de sólidas bases científicas e na apropriação de saberes tecnológicos e profissionais. Relevar na ação educativa, a educação para os valores da cidadania, com vista à formação de cidadãos atentos, ativos e participativos com a intencionalidade da construção de uma sociedade mais livre, justa e democrática.

O Agrupamento de Escolas Ibn Mucana tem a aspiração de continuar a projetar-se como uma instituição de referência e de excelência do trabalho educacional que desenvolve, assente na qualidade ao nível do ensino e da formação, nas aprendizagens e capacidades que potencia, no desenvolvimento de práticas pedagógicas/educativas inovadoras e na qualidade da formação de cidadãos criativos, empreendedores, responsáveis e solidários.

O Agrupamento de Escolas Ibn Mucana persegue na sua ação educativa um conjunto de valores que promovem a inclusão, a educação integral do aluno, valorizando ambientes de bem-estar da comunidade escolar, promovendo o desenvolvimento de competências e capacidades dos alunos que levem à sua autonomia, praticando uma cultura de abertura à inovação e à criatividade, promovendo uma cidadania ativa e empenhada. Neste contexto, os valores do agrupamento são os seguintes:Bem-estar, Qualidade, Confiança, Colaboração, Excelência, Cidadania, Inovação e Equidade.

O Agrupamento assume, na sua ação educativa, o propósito de“Fazer com que todos os alunos aprendam sem deixar nenhum para trás”.Persegue-se com este propósito a intencionalidade de promover a escola como espaço educativo incluso de todos e para cada um, facilitador da educação integral do aluno.

OE1 - ObjetivosEstratégicosInvestir numa “liderança partilhada” - valorizar as lideranças intermédiasCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 1- Reorganizar as lideranças IntermédiasCriar o modelo de Coordenação de ano de escolaridade.Modelo de Coordenação e de Monitorização do ModeloxMETAS.Implementar o Modelo de Coordenação. Atingir a totalidade das ações previstas no Plano de Ação

OE14 - ObjetivosEstratégicosConsolidar a cultura de avaliação e autoavaliação como processo integrado nas rotinas funcionais e pedagógicasCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 23 - Desenvolver e operacionalizar um referencial de avaliaçãoInstitucional para o Agrupamento.Definir os indicadores de intervenção para o sucesso educativoIndicadores de intervenção para o sucesso educativo definidosXDefinir indicadores de referência para os departamentosIndicadores de referência para os departamentos definidosXO.O. 24 – Institucionalizar os procedimentos de avaliação e autoavaliação no Agrupamento.Apresentar e validar o relatório de avaliação institucional pelos órgãos do AgrupamentoRelatório de avaliação institucional produzidoxXXDisseminar a prática da autoavaliação nos departamentos curricularesSensibilização interna sobre as práticas de autoavaliação (departamentos curriculares)XXXConstruir instrumentos e ferramentas de análise e compreensão dos fatores de insucesso e sucesso educativoInstrumentos e ferramentas de análise criadosxxxDefinir indicadores de disciplina e comportamentoIndicador de disciplina e comportamentos do Projeto Comportamentos+xxxOperacionalizar o Observatório do Sistema Educativo de CascaisProcedimentos de recolha de informaçãoxxxMETASO.O. 23. Construir instrumentos de recolha consensualizados com todos os DepartamentosO.O. 24. Criar o modelo de Relatório de avaliação do Agrupamento pela equipa de autoavaliação, validado em sede de Conselho Pedagógico. Desenvolver o plano de comunicação da autoavaliação no Agrupamento. Promover Formação/sensibilização anual de todos os docentes para a relevância da Autoavaliação para a promoção e melhoria contínua do Agrupamento. Identificar 5 indicadores preditores e/ou principais responsáveis pelos menores desempenhos educativos por ano (escolares e socioeconómicos). Solicitar, pelo menos, uma estratégia de intervenção por área disciplinar para cada um dos indicadores destacados. Promover a implementação e monitorização anual dos "Comportamentos +". Implementar o OBSEC

OE12 - ObjetivosEstratégicosOtimizar a comunicação interna e externaCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 21 - Melhorar os processos de comunicação interna e externa, privilegiando o suporte digitalAplicar/implementar os conteúdos e os procedimentos comunicacionais do PADDEPADDEXXXReforçar os circuitos de comunicaçãoCircuitos de comunicação existentesXXXProceder à desmaterialização de documentosDocumentos desmaterializadosXXXMelhorar o processo de uniformização dos suportes de comunicação do AgrupamentoUniformização dos suportes de comunicação do AgrupamentoXXXCriar Planos de Comunicação para a comunidade escolarPlano de Comunicação desenvolvidoXCriar newsletter para a comunidade educativaNewsletter desenvolvidaXXXMETAS. Implementar o PADDE. Centralizar meios de comunicação existentes, garantindo que todas as comunicações passam por e-mail institucional. Assegurar a utilização generalizada de instância para partilha (G-Suite). Inserir em todos os documentos produzidos a imagem institucional do Agrupamento . Criaro Plano de Comunicação com a Comunidade Escolar. Criar newsletter com periodicidade fixa

OE13 - ObjetivosEstratégicosAprofundar a cultura de agrupamentoCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 22 - Aprofundar a identidade e a cultura de AgrupamentoCriar eventos que promovam, interna e externamente a cultura e os valores do AgrupamentoIniciativas no âmbito da promoção da cultura e os valores do Agrupamento desenvolvidasxXXMETAS. Realizar, pelo menos, uma iniciativa anual de promoção da cultura e dos valores do Agrupamento

OE8 - ObjetivosEstratégicosIncrementar a participação e a cidadaniaCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 15 - Dar voz aos alunosRealizar assembleias de turma, de ciclo, de conselho consultivo de alunos, “a Voz dos alunos Ibn”, “Parlamento Jovem” e OP jovemGrau de satisfação dos alunosNúmero de ações de participação democráticaxxxO.O.16 - Fomentar a cidadania ativa nos alunosPromover a participação dos alunos em projetos de âmbito solidário e de cidadaniaNúmero de projetos de âmbito solidário e de cidadania desenvolvidosxxxOperacionalizar o Projeto “Passaporte do Voluntário”Número de alunos com PassaporteNúmero de ações de voluntariado realizadasxxxMETASO.O. 15. Aplicar questionário de satisfação, com um resultado superior a 75%. Promover, por ano letivo, pelo menos, cada uma das atividades de participação democráticaO.O. 16. Desenvolver com, pelo menos, 30% dos alunos do Agrupamento projetos de âmbito solidário. Desenvolver projetos que envolvam todos os alunos do 1.º ao 3.º ciclos do ensino básico em projetos de cidadania e, pelo menos, 70% dos alunos do secundário. Obter o galardão “Escola Voluntária” da Câmara Municipal de Cascais

OE9 - ObjetivosEstratégicosDesenvolver o vínculo com a comunidade para a aprendizagemCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 17 - Criar sistemas de relacionamento escola/família que contribuam para melhorar a aprendizagem dos alunosDinamizar atividades sociais, culturais e desportivas abertas à família.Número de atividades sociais, culturais e desportivas abertas à famíliaxxxCriar o Plano de Comunicação com os EE.Plano de comunicação desenvolvidoxMETAS. Realizar, por período letivo, pelo menos, uma atividade. Criar o Plano de Comunicação com Pais/EE

OE11 - ObjetivosEstratégicosCriar ambientes promotores de bem-estar e segurançaCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 19 - Promover atividades de apoio ao bem-estar e segurança da comunidade escolar.Elaborar o Plano Estratégico para a implementação de medidas para a promoção de ambientes seguros e protetores GuiãoxElaborar a candidatura ao “Selo Protetor da Criança”Certificação ao “selo protetor da criança”xxxElaborar a candidatura a Escola Saudável/ SaudávelMenteCertificaçãoProjeto SaudávelMentexxxMobilizar recursos para o bem-estar e segurança dos alunos (Equipa da Segurança e Bem-Estar)Recursos mobilizados em resposta aos alunosxxxImplementar e monitorizar procedimentos de segurançaProcedimentos de segurança implementadosxxxO.O. 20 - Melhoria dos espaços escolaresConceptualizar espaços multifuncionais de aprendizagemEspaços multifuncionais de aprendizagem existentesxxMETASO.O. 19. Operacionalizar o Guião de medidas para a promoção de ambientes seguros e protetores. Obter o “selo protetor da criança”. Obter o selo "Escola SaudávelMente". Garantir que todos os alunos sinalizados pela Equipa da Segurança e Bem-Estar têm acompanhamento interno da sua situação. Criar Plano de Segurança da comunidade. Desenvolver, por ano letivo pelo menos, uma ação de sensibilização para a segurança física e uma ação de sensibilização para a segurança digitalO.O.20. Promover a criação de, pelo menos, um espaço multifuncional de aprendizagem em cada uma das escolas do agrupamento. Avaliar a satisfação com a utilização do espaço

OE5 - ObjetivosEstratégicosReforçar a cultura de flexibilidade e autonomia curricularCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 8 - Privilegiar a articulação curricular interdisciplinarCriar um referencial de práticas pedagógicas interdisciplinares.Referencial de práticas pedagógicas interdisciplinaresxO.O. 9 - Otimizar a articulação vertical.Incentivar a participação dos alunos em projetos interdisciplinares e eventos a nível local, nacional e internacional.Participação dos alunos em projetos interdisciplinares e eventos a nível local, nacional e internacionalxxxImplementar projetos em torno de eixos estruturantes.Objetivos dos projetos coincidentes com os eixos estruturantesxxxRealizar parcerias entre ciclos.Parcerias entre ciclosxxxPromover visitas interciclos/ interescolas.Visitas interciclos/interescolasxxxMetasO.O. 8. Construir o referencial de práticas pedagógicas interdisciplinares por ano de escolaridadeO.O.9. Promover a participação de todos os alunos em, pelo menos, um evento considerado. Concretizar, pelo menos, 3 projetos por ano letivo. Realizar, por ano letivo pelo menos, 1 projeto anual interciclos. Realizar, por ano letivo, pelo menos, 3 visitas anuais interciclos/interescolas

OE6 - ObjetivosEstratégicosPrivilegiar a articulação horizontal do currículo, promovendo aprendizagens interdisciplinaresCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 10 - Integrar os projetos estruturantes na gestão curricular.Realizar trabalho de projeto no âmbito de AFC.Trabalho de projeto no âmbito de AFCxxxO.O 11 – Promover a transversalidade da Biblioteca EscolarImplementar o Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarxxxO.O 12 - Valorizar a organização e gestão do trabalho pedagógico nos Conselhos de Docentes/TurmasConstruir o modelo do Plano Pedagógico de TurmaPlano Pedagógico de TurmaxImplementar o Plano Pedagógico de TurmaPlano Pedagógico de TurmaxxMETASO.O. 10. Realizar, por turma, pelo menos, um trabalho de projeto no âmbito da AFC que promova a articulação horizontal do currículoO.O. 11. Realizar, pelo menos, 90% das atividades propostas no Plano Anual de Atividades, em todos os níveis de ensinoO.O. 12. Desenvolver em todas as turmas o Plano Pedagógico

OE7 - ObjetivosEstratégicosPromover a diversificação de modelos de ensino e práticas pedagógicas inovadorasCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 13 - Diversificar metodologias e práticas pedagógicasCriar um repositório de metodologias ativas utilizadas no AgrupamentoRepositório de metodologias ativas utilizadasxPotenciar os recursos tecnológicosNúmero de práticas pedagógicas que mobilizam recursos tecnológicosxxxO.O. 14 - Otimizar práticas de avaliação pedagógicaReformular os critérios de avaliaçãoCritérios de Avaliação revistosxPrivilegiar práticas de avaliação formativaNúmero de rubricas desenvolvidas com vista à Avaliação FormativaxxxAferir critérios de avaliação e processos de recolha de informação com as metodologias utilizadasCritérios de avaliação e processos de recolha de informação articulados com as metodologias utilizadasxxxMETASO.O. 13. Garantir em todas as turmas, por disciplina e por período letivo, a utilização de, pelo menos, uma metodologia ativa (do repositório do Agrupamento). Garantir em todas as turmas, por disciplina e por período letivo, a utilização de recursos tecnológicosO.O. 14. Rever todos os critérios de avaliação do Agrupamento garantindo a sua conformidade com a legislação e práticas predominantemente de avaliação formativa. Desenvolver, por disciplina e por turma, pelo menos, uma rúbrica específica da disciplina por domínio/tema. Garantir que, pelo menos, 50% das práticas avaliativas assentam na avaliação formativa e diversidade dos instrumentos de avaliação. Avaliar, pelo menos duas vezes por ano, a adequação dos critérios de avaliação aos instrumentos de recolha de informação e ao sucesso das metodologias utilizadas

OE4 - ObjetivosEstratégicosGerir o tempo com eficáciaCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 7 – Maximizar o tempo dedicado ao trabalho educativoOtimizar o tempo dedicado às aprendizagensAtividades letivas desenvolvidasxxxAjustar métodos de trabalhoAplicação do guião de condução de reuniões de trabalhoxxxLimitar a duração de reuniões de trabalhoDuração das reuniões de TrabalhoxxxMETAS. Situar em, pelo menos, 90% o cumprimento das atividades letivas previstas. Construir um Guião de Condução de reuniões de trabalho. Limitar a 90 minutos o tempo de realização médio das reuniões internas (definidas em procedimento apropriado)

OE3 - ObjetivosEstratégicosPromover ambientes de aprendizagem digitaisCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-222022-232023-24O.O 6 –Elaborar e implementar oPADDECriar um ecossistema de desenvolvimento digitalPADDEx x xRealizar o diagnóstico de proficiência digital do Agrupamento com a SELFIE x x xCriar contextos de aprendizagem estimulantes e motivadores para os alunos x x xUtilizar o digital, de forma crítica, para o exercício da cidadania x x xMETAS. Implementar o PADDE. Monitorizar o PADDE

OE2 - ObjetivosEstratégicosTrabalhar em rede/ trabalho colaborativoCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O 2 - Reorganizar a distribuição do serviço docenteConstituir equipas educativasPlano de Ação das Equipas EducativasxxxO.O.3 - Reorganizar a distribuição de alunosCriar grupo variável de alunosConstituição de grupos variáveis de alunos por ano escolaridadexxxO.O.4 - Promover o trabalho colaborativo.Construir redes de práticas, suportadas em trabalho colaborativo e interdisciplinarN.º de Redes de práticas constituídasxxxEstimular a reflexão e a partilhaMomentos de reflexão e partilhaxxxCriar tempos e espaços de partilha/interação.Tempos de partilha/interaçãoxxxPromover processos de intervisãoIntervisão PedagógicaxxxUtilizar ambientes digitais no trabalho colaborativoUtilização de ferramentas digitaisxxxO.O. 5 - Implementar medidas de apoio à melhoria das aprendizagens e à equidadeCriar ciclos de reflexão sobre práticas pedagógicas.Reflexão sobre práticas pedagógicas inclusivasxxxImplementar o Plano de Tutorias IbnN.º Total de Planos de Tutorias desenvolvidosxxxImplementar o Plano de Mentorias “WeR1”N.º Total de Plano de Mentorias desenvolvidasxxxN.º de Mentores/ mentorados envolvidosxxxEvolução do sucesso académico dos alunos envolvidosxxxMETASO.O.2. Constituir equipas educativas. Atingir a totalidade das ações previstas no Plano de AçãoO.O. 3. Constituir, pelo menos, 1 grupo variável de alunos por ano de escolaridadeO.O.4. Construir, pelo menos, 1 rede de práticas por área disciplinar. Construir, pelo menos, 1 rede por equipa educativa. Promover, pelo menos, 1 momento anual de reflexão de práticas de trabalho colaborativo. Criar momento subsequente de partilha interna. Reforçar o repositório interno de Boas Práticas. Contemplar no horário dos docentes tempos para o trabalho colaborativo (PCA). Desenvolver o Plano de Intervisão do Agrupamento que abranja, pelo menos:- 30% dos docentes (1º ano)- 50% dos docentes (2º ano)- 80% dos docentes (3º ano). Utilizar ferramentas digitais no trabalho colaborativo (reuniões, documentos, etc.) pela totalidade dos docentesO.O. 5. Promover, pelo menos, 1 momento anual de reflexão sobre práticas pedagógicas. Criar momento subsequente de partilha interna. Reforçar o repositório interno de Boas Práticas. Tutorias desenvolvidas para todos os alunos sinalizados. Taxas de sucesso dos alunos envolvidos

OE10 - ObjetivosEstratégicosCapacitar atores escolaresCalendarizaçãoObjetivosOperacionaisAçõesIndicadores de medida2021-20222022-20232023-2024O.O. 18 - Promover o desenvolvimento profissional e pessoalConceber o plano de formação de acordo com as necessidades diagnosticadasPlano de formação existentexxxCapacitar a comunidade escolar para o digitalImplementação do PADDExxxCriar uma bolsa de formadores internosBolsa de formadores internosxElaborar o Plano de Candidatura ao Projeto Erasmus+ / Ação 1-KA1 - projetos de mobilidadeNúmero de atividades desenvolvidas no âmbito da rede de organizações ErasmusxxxMETAS. Garantir que 60% das necessidades identificadas na fase de diagnóstico têm resposta no âmbito do Plano de Formação do Agrupamento. Implementar as ferramentas de diagnóstico – Check-In e SELFIE. Fazer o levantamento das competências dos formadores internos. Garantir que até 10% dos atores escolares participem nas atividades desenvolvidas no âmbito da rede de organizações Erasmus

3. MONITORIZAÇÃOE AVALIAÇÃO

2022

2023

2024

Avaliação anual

Avaliação final

mETODOLOGIA

Construção dos instrumentos de registo de indicadores e de recolha de informação.

Apreciação do grau de execução dos objetivos através das respetivas metas

Divulgação para discussão e proposta de ações de melhoria

Avaliação participada

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam

Muito obrigada!